Nordeste Rural | Homepage


Uma doença que prejudica o desempenho dos cavalos

🕔03.set 2020

É a síndrome navicular, uma doença que impacta o desempenho dos animais causando dor, desconforto e claudicação crônica. Essa é uma das principais patologias que afetam o desempenho dos equinos, especialmente dos que atuam em modalidades esportivas. A doença que compromete o aparato podotroclear dos cavalos é considerada uma das principais causa da claudicação crônica. “A patologia  afeta o osso sesamóide distal, também conhecido como  navicular, a bursa navicular e os tendões flexores, comprometendo o aparelho locomotor dos equinos. Os cavalos afetados pela patologia apresentam desconforto, dor e queda no desempenho de suas atividades”, explica a médica veterinária e gerente de linha de produtos para equinos da Ceva, Baity Leal.

Com origem difusa, o desenvolvimento da patologia pode ser influenciado por aspectos de manejo e fatores hereditários. O desequilíbrio nos casos, ferrageamento inadequado e a realização de exercícios em superfícies duras ou na inapropriadas, por exemplo, podem estimular o surgimento da doença. Além disso, raças como Quarto de Milha e Puro Sangue Inglês são mais susceptíveis aos casos de síndrome navicular. Nestes casos, a predisposição hereditária está associada a conformação do osso navicular.

“A síndrome navicular acomete preferencialmente os membros torácicos causando alterações degenerativas na estrutura, composição e função mecânica da região”, detalha Baity. Os animais acometidos apresentam sinais clássicos, como pinça longa e talões escorridos, marcha desordenada e maqueira. Além disso, é comum que o cavalo mantenha um dos membros flexionados, por conta das dores e incômodo na área afetada.

A claudicação, popularmente conhecida como manqueira é uma das consequências comuns causadas pela doença. Podendo se manifestar de forma progressiva, crônica, unilateral ou bilateral. “A claudicação associada à síndrome navicular é uma das principais causas de afastamento dos equinos de suas atividades trazendo impactos para o bem-estar do animal e gerando uma série de prejuízos financeiros para os criadores. Dependendo do tipo e origem da lesão o animal poderá ficar incapacidade de exercer sua função. O diagnóstico e o tratamento proativo são fundamentais para conter os avanços da doença”, afirma Baity.

A identificação da síndrome navicular engloba a avaliação física do animal, a análise do histórico clínico e dos sintomas apresentados, e a realização de exames clínicos e de imagem. Juntos, esses fatores irão determinar quais estruturas estão envolvidas e a extensão dos danos causados pela patologia ao aparelho locomotor do equino.

Como não tem cura, o tratamento da síndrome navicular tem como objetivo assegurar o bem-estar animal. A terapia indicada dependerá do tipo de lesão e atividade desempenhada pelo equino, podendo incluir desde repouso, uso de medicamentos anti-inflamatórios e corticoides, até intervenções cirúrgicas.

 

CITEquin - Hospital do Cavalo, Paudalho-PE