Nordeste Rural | Homepage


Pecuarista deve ficar atento ao momento certo para renovar a pastagem fazendo a semeadura do capim

🕔15.set 2021

Está chegando o momento de reformar pasto no Brasil Central e no Sudeste do País. Todo o cuidado é pouco nessa hora porque alguns erros fatais no plantio poderão comprometer seriamente os resultados na engorda dos bovinos e até mesmo na taxa de prenhez das matrizes durante a estação reprodutiva.

Para obter sucesso no estabelecimento das gramíneas, veja algumas dicas importantes fornecidas pelo médico-veterinário Marcelo Mitsuyoshi Fukuda, gerente técnico da unidade de beneficiamento de sementes da Agrocria Nutrição Animal, em Anápolis (GO).

Segundo o especialista, ao evitar alguns erros que vêm se tornando recorrentes, o produtor conseguirá diminuir a incidência de invasoras, terá plantas mais vigorosas e maior oferta de matéria seca para os animais a partir da primavera. Acompanhe as dicas:

1 – Vistorie a área – Entre os aspectos a ser observados, defina o tamanho da área. Dessa forma, é possível estimar se o plano é compatível com os recursos financeiros, a mão de obra, as máquinas, os equipamentos e os implementos disponíveis, para que, assim, o estabelecimento seja feito na época preferencial de semeio.

Aspectos relacionados ao solo também são importantes. Grau de drenagem, cor, textura, profundidade efetiva, pedregosidade e uniformidade são elementos que devem ser analisados, pois indicam a aptidão agrícola da área para o estabelecimento da pastagem.

Informações colhidas com o tempo sobre uma cultura anteriormente estabelecida e a produtividade obtida, se houve ou não emprego de fertilizantes, corretivos e outros produtos químicos também norteiam a decisão sobre qual material forrageiro plantar e seu potencial produtivo.

2 – Defina o objetivo da pastagem – Será para pastejo contínuo, rotacionado, confecção de silagem, feno ou capineira? Além disso, é importante se atentar à espécie animal, idade e sexo; o ciclo de produção, se é cria, recria ou engorda; bem como a produtividade esperada. Cada um destes fatores requer um planejamento diferente para a pastagem.

3 – Faça análise de solo – Esta é uma ferramenta básica para recomendações de calagem e adubação. Para o sucesso da atividade, deve-se seguir, criteriosamente, três passos igualmente fundamentais. O primeiro refere-se à coleta da amostra de solo, que, se não realizada corretamente, vai comprometer os passos seguintes.

O segundo passo diz respeito à escolha do laboratório ao qual será confiada, uma vez que erros na interpretação podem ser fatais. O terceiro e último passo é atribuir ao engenheiro agrônomo e/ou do técnico em agropecuária a interpretação dos resultados.

Junto à outra ferramenta básica, a “Recomendação para uso de corretivos e fertilizantes”, se obterá uma indicação de acordo com as condições do solo e também das exigências nutricionais da cultura que se deseja implantar.

4 – Escolha material forrageiro adequado à sua realidade – “Ao contrário do senso comum, não há a melhor forragem. O que existe é um material forrageiro mais adequado que outro, em uma determinada situação”, alerta Fukuda. Obviamente, há espécies que, por suas características, se adaptam a uma gama maior de situações, sendo mais adotadas.

É desejável que a área de pastagem seja composta pelo maior número de variedades possíveis, evitando assim, possíveis impactos negativos oriundos do monocultivo, como o aparecimento de pragas ou doenças, por exemplo.

5 – Prepare o solo corretamente – Entre os objetivos dessa operação estão controlar vegetação existente e indesejada, incorporar corretivos e fertilizantes ao solo, além de melhorar as condições para germinação das sementes e estabelecimento das plantas.

Entretanto, em algumas situações, não há necessidade do preparo do solo, destacando-se aqui uma situação cada vez mais comum, de integrar lavouras anuais com produção animal, em áreas de semeadura direta na palha.

Os implementos a serem usados e a quantidade de operações para o preparo do solo, variam bastante conforme a situação.  O solo, antes do semeio, deve estar o mais nivelado possível e com o mínimo de torrões. “Isso melhora muito a germinação das sementes e o desenvolvimento do capim”, observa Fukuda.

Geralmente, se consegue este resultado com uma a três operações com grade niveladora. Para melhorar o resultado, uma estratégia que pode ser adotada é usar um tronco ou pedaço de madeira (plaina) atrelado à grade niveladora.

6 – Cuidado na semeadura – O primeiro ponto que deve ser observado é a qualidade das sementes. A germinação e a pureza física são fatores que determinam, em grande parte, a qualidade de um lote de sementes.

Para as regiões Centro- Oeste e Sudeste, a época de semeadura deve coincidir com o início das chuvas, pois, geralmente, nessa época há boas condições de temperatura e umidade à germinação e posterior desenvolvimento da plântula. Importante que seja no momento de regularidade.

As sementes dos materiais forrageiros diferem em forma e tamanho. As de tamanho maior podem ser plantadas mais profundas e sua distribuição pode ocorrer de duas formas: em linha ou a lanço.

De modo geral, onde a produção animal é a principal atividade, a segunda opção é mais indicada, por permitir uma melhor distribuição, ocupando de forma mais racional e equilibrada a superfície do solo.

A quantidade de semente por área é outro fator primordial para o sucesso do semeio. Fique atento ao valor cultural, ele indica a quantidade existente de sementes puras e aptas a germinar. Quanto maior melhor.

 

 

CITEquin - Hospital do Cavalo, Paudalho-PE