Nordeste Rural | Homepage


O combate a pragas da cana-de-açúcar pode ser feito com controle biológico e plantas resistentes

🕔03.Maio 2021

Esse é o caso da vespa Cotesia Flavipes, utilizada nos canaviais para o controle biológico da broca-da-cana, espécie de larva de mariposa que provoca grandes perdas de produtividade na cultura da cana-de-açúcar. Inclusive, as larvas da cotesia, que combatem a praga se alimentando da broca-da-cana, são depositadas em recipientes e lançadas no canavial por Drones, a partir de um planejamento georreferenciado para a melhor eficiência de localização, garantindo resultados adequados ao manejo biológico.

Já para o combate à cigarrinha, inseto que suga a seiva das raízes da cana, injetando uma toxina que reduz a produtividade da planta, é utilizado o fungo Metarhizium Anisopliae.Também um outro grande desafio é combater o Sphenophorus levis, ou bicudo da cana-de-açúcar. Para enfrentar esta praga, a BP Bunge é pioneira no uso da tecnologia dos nematoides entomopatogênicos (Heterorhabditis bacteriophora), com resultados promissores.

Outra alternativa para reduzir a ocorrência de pragas e doenças em seus canaviais, com menor uso de defensivos de base química, está no manejo do plantio, pelo uso de Mudas Pré-Brotadas (MPB) a partir de variedades desenvolvidas especificamente para cada uma das 11 unidades da companhia, de acordo com as características geográficas, geológicas e climáticas de cada região.

 

 

CITEquin - Hospital do Cavalo, Paudalho-PE