Nordeste Rural | Homepage


Uma ferramenta para ajudar o produtor a prevenir o risco de brusone no trigo

🕔19.set 2021

Os riscos associados à ocorrência de brusone estão diretamente relacionados às condições climáticas, especialmente durante o período de espigamento do trigo. A ocorrência de chuvas relacionadas, a temperatura acima de 22ºC, o tempo de molhamento da planta acima de 10 horas, dias nublados e alta umidade relativa no ar formam como condições ideais para a proliferação da doença.

Para prevenir o ataque da doença na plantação, os pesquisadores desenvolveram o Early Warning System  ( EWS ), ou Sistema de Alerta Precoce que é uma plataforma que simula os riscos de incidência de brusone com base na coleta de dados meteorológicos. O EWS é o resultado de um projeto liderado pelo Centro Internacional de Melhoramento de Milho e Trigo ( CIMMYT ), em parceria com a  Embrapa  e a Universidade de Passo Fundo ( UPF ).

O EWS é capaz de analisar dados coletados por estações meteorológicas e prever quando essas condições ocorrem nas regiões com lavouras de trigo. O sistema cruza essas informações com a fase de desenvolvimento em que as plantas se encontram e, em caso de risco, envia um alerta aos produtores para que executem ações de prevenção.

Como não existe cura, o controle da brusona deve ser preventivo, com a aplicação de fungicidas antes de o fungo se instalar na planta. Em média, o fungicida protege a planta da doença entre 12 e 14 dias. Assim, para fazer um controle mais assertivo, é preciso verificar as mudanças climáticas, avaliando o melhor momento e a real necessidade de fazer a aplicação do defensivo. A plataforma  Early Warning System  auxilia exatamente nessa tomada de decisão. No  site do EWS , o usuário escolhe o país, o estado e a estação meteorológica mais próxima para avaliar no mapa os riscos em baixo, moderado e alto.

O pesquisador da  Embrapa Trigo  José Maurício Fernandes  explica que uma doença é considerada uma ameaça global, pois não há variedades que apresentem resistência ao fungo. “Não há germoplasma resistente na maioria dos genótipos-elite de trigo em nível mundial e os tratamentos com fungicidas são ineficazes quando a intensidade da doença é alta”, explica o cientista.

CITEquin - Hospital do Cavalo, Paudalho-PE