Nordeste Rural | Homepage


Sebo bovino se transforma em óleo e ganha importância no mercado de combustíveis

🕔04.fev 2015

seboO óleo refinado a partir do sebo bovino representará 35% no mix de matéria-prima utilizada na produção do Biodiesel 100 (B-100), índice máximo permitido dentro das especificações do combustível. A gordura animal utilizada no processo gera ainda sebo refinado e ácido graxo, coprodutos com grande valor comercial.

Em função dessa importância comercial e estratégica, a Petrobrás resolveu ampliar a capacidade produtiva da usina da Petrobras Biocombustível, em Montes Claros, Minas Gerais, triplicará a capacidade de processamento do sebo bovino, de 50 mil toneladas por ano para 158 mil toneladas/ano. Com a ampliação A construção da nova unidade de refino físico tem início em fevereiro e será entregue em outubro.

Se comparado ao biodiesel de óleos vegetais, o de gordura animal traz mais vantagens e, por isso, ganha espaço como opção de matéria-prima. O maior grau de cetano garante melhor ignição do combustível e tem influência direta na partida e funcionamento do motor.

Com o aumento da capacidade de refino do sebo bovino em Montes Claros, haverá um volume excedente do óleo, que poderá ser escoado para as usinas da Petrobras Biocombustível em Candeias, na Bahia, e Quixadá, no Ceará. A planta mineira tem autorização da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) para produzir 152 milhões de litros/ano de biodiesel. Por isso, a usina consumirá, no máximo, 53,2 milhões de litros/ano do óleo bovino (35% do total).

De acordo com estimativa da Embrapa, cerca de 1,560 milhão de toneladas de sebo bovino são produzidas no país anualmente e cada quilo de sebo pode gerar até 800 ml de biodiesel. A produção segue as especificações para venda estabelecidas na portaria da ANP nº. 42.

 

CITEquin - Hospital do Cavalo, Paudalho-PE