Nordeste Rural | Homepage

Uma variedade de forrageira que ajuda a reduzir os custos de pecuaristas com suplementação para o rebanho

🕔28.jul 2018

guandu brs mandarimPecuaristas paulistas que alimentaram o rebanho com o Guandu BRS Mandarim não precisaram empregar sal proteinado nem ração para os animais durante o período de inverno, época em que a suplementação é necessária. Em experimentos realizados no interior de São Paulo, animais alimentados com essa cultivar apresentaram desempenho superior em comparação aos que receberam a suplementação e a forrageira ainda permitiu aumentar a taxa de lotação animal no pasto.

Fazendas que testaram a variedade também confirmaram os bons resultados, como a do bovinocultor José Francisco Soares, no município de São Carlos (SP), que há dois invernos deixou o confinamento dos animais. Soares, que trabalha com engorda de gado de corte, plantou a leguminosa desenvolvida pela Embrapa Pecuária Sudeste em uma das áreas mais degradadas do sítio. A experiência deu certo e, hoje, dos dez hectares da Estância São Rafael, quatro estão com a cultivar.

Segundo Soares, com a implantação do BRS Mandarim consorciado, a pastagem melhorou e ele não precisa utilizar ração ou sal proteinado para os animais. Desde o inverno de 2017, o gado alimenta-se do guandu e de sal mineral comum.

A economia para ele e para os outros produtores que optaram pela leguminosa é considerável. De acordo com a pesquisadora Patrícia Perondi Anchão Oliveira, comparando o guandu com a pastagem recuperada e considerando que as duas produzam a mesma quantidade de carne por hectare, o aumento de custo para inserir a BRS Mandarim seria de R$ 210 anuais por hectare e a redução de despesas na alimentação animal somaria R$ 867,00 por hectare ao ano. Ou seja, o produtor teria um saldo positivo de R$ 657,00 por hectare a cada ano. No aumento de custos ela considera as sementes e horas máquina para plantio e uma roçada anual. Na redução das despesas está contabilizada a economia com ureia, hora máquina para espalhar o fertilizante e suplemento mineral proteinado.

A falta de pasto fazia o produtor tratar do gado no cocho durante o período de seca. Agora, os 50 animais da propriedade ficam na pastagem o ano inteiro. “Uma das coisas mais econômicas é isso aqui”, enfatiza o produtor ao apontar o pasto com BRS Mandarim.

O investimento inicial foi de R$ 2 mil para o plantio do guandu em uma área de 1,5 hectare. “Coloquei sete bezerros de oito arrobas. Após um ano, pesaram 18 arrobas, sem gasto com mão de obra e ração”, contou. Ele ainda frisou que foi a única maneira que encontrou para gastar menos e ter mais lucro.

 

Similar Articles

Pernambucano ganha dinheiro vendendo insetos para alimento de animais

Pernambucano ganha dinheiro vendendo insetos para alimento de animais 0

O comércio de insetos no Brasil está em crescimento e não é de agora que

As vantagens do pastejo integrado entre ovinos e bovinos

As vantagens do pastejo integrado entre ovinos e bovinos 0

Foto: Capri Virtual Praticada em várias partes do mundo, a exploração integrada tem em sua

Receita – Drink maracujack

Receita – Drink maracujack 0

INGREDIENTES:   50 ml de whiskey Jack Daniel’s Meio maracujá 1 colher de sopa de açúcar Refrigerante Citrus   MODO DE FAZER:   Em

O efeito estufa interfere na produção de hortaliças

O efeito estufa interfere na produção de hortaliças 0

O fenômeno do aquecimento global, vem influenciando drasticamente atividades humanas e também com reflexos na

Receita – Cheesecake de Limão com Frutas Vermelhas

Receita – Cheesecake de Limão com Frutas Vermelhas 0

Chef Camila Camargo INGREDIENTES:   Massa 300g bolacha maisena 140g de manteiga derretida 40g de açúcar   Recheio 678g cream cheese em temperatura ambiente 207g

CITEquin - Hospital do Cavalo, Paudalho-PE