Nordeste Rural | Homepage
Advertisement

Uma variedade de forrageira que ajuda a reduzir os custos de pecuaristas com suplementação para o rebanho

🕔28.jul 2018

guandu brs mandarimPecuaristas paulistas que alimentaram o rebanho com o Guandu BRS Mandarim não precisaram empregar sal proteinado nem ração para os animais durante o período de inverno, época em que a suplementação é necessária. Em experimentos realizados no interior de São Paulo, animais alimentados com essa cultivar apresentaram desempenho superior em comparação aos que receberam a suplementação e a forrageira ainda permitiu aumentar a taxa de lotação animal no pasto.

Fazendas que testaram a variedade também confirmaram os bons resultados, como a do bovinocultor José Francisco Soares, no município de São Carlos (SP), que há dois invernos deixou o confinamento dos animais. Soares, que trabalha com engorda de gado de corte, plantou a leguminosa desenvolvida pela Embrapa Pecuária Sudeste em uma das áreas mais degradadas do sítio. A experiência deu certo e, hoje, dos dez hectares da Estância São Rafael, quatro estão com a cultivar.

Segundo Soares, com a implantação do BRS Mandarim consorciado, a pastagem melhorou e ele não precisa utilizar ração ou sal proteinado para os animais. Desde o inverno de 2017, o gado alimenta-se do guandu e de sal mineral comum.

A economia para ele e para os outros produtores que optaram pela leguminosa é considerável. De acordo com a pesquisadora Patrícia Perondi Anchão Oliveira, comparando o guandu com a pastagem recuperada e considerando que as duas produzam a mesma quantidade de carne por hectare, o aumento de custo para inserir a BRS Mandarim seria de R$ 210 anuais por hectare e a redução de despesas na alimentação animal somaria R$ 867,00 por hectare ao ano. Ou seja, o produtor teria um saldo positivo de R$ 657,00 por hectare a cada ano. No aumento de custos ela considera as sementes e horas máquina para plantio e uma roçada anual. Na redução das despesas está contabilizada a economia com ureia, hora máquina para espalhar o fertilizante e suplemento mineral proteinado.

A falta de pasto fazia o produtor tratar do gado no cocho durante o período de seca. Agora, os 50 animais da propriedade ficam na pastagem o ano inteiro. “Uma das coisas mais econômicas é isso aqui”, enfatiza o produtor ao apontar o pasto com BRS Mandarim.

O investimento inicial foi de R$ 2 mil para o plantio do guandu em uma área de 1,5 hectare. “Coloquei sete bezerros de oito arrobas. Após um ano, pesaram 18 arrobas, sem gasto com mão de obra e ração”, contou. Ele ainda frisou que foi a única maneira que encontrou para gastar menos e ter mais lucro.

 

Similar Articles

Suplementação de vitaminas para bovinos garante melhor produtividade do rebanho

Suplementação de vitaminas para bovinos garante melhor produtividade do rebanho 0

Suplementação de vitaminas A, D e E, uma das medidas adotadas nas propriedades para manutenção

Uma farinha de feijão de corda é a base para um tipo de biscoito mais nutritivo e sem glúten

Uma farinha de feijão de corda é a base para um tipo de biscoito mais nutritivo e sem glúten 0

Os biscoitos feitos à base de feijão-caupi têm uma boa textura e coloração atraente. O

Uma ideia que pode se espalhar pelo Brasil: união de bares para vender vinhos mais baratos

Uma ideia que pode se espalhar pelo Brasil: união de bares para vender vinhos mais baratos 0

É o 3º Festival Vinho no Boteco que acontec entre os dias 16 de agosto

Dinheiro do funcafé chega aos bancos para repassar aos produtores

Dinheiro do funcafé chega aos bancos para repassar aos produtores 0

Neste ano são R$ 4,9 bilhões disponíveis para que os produtores possam se credenciar e

Rally dos Sertões tem data para largada

Rally dos Sertões tem data para largada 0

Em 26 anos de história, um dos maiores ralis do mundo, tem largada prevista para

CITEquin - Hospital do Cavalo, Paudalho-PE