Nordeste Rural | Homepage

Um livro conta a história do cavalo árabe no Brasil e homenageia a associação da raça

🕔25.fev 2015

cavalo-arabe-cursos-cpt6É o livro “O Cavalo Árabe no Brasil” e tem textos de Mario Braga e ensaio fotográfico de Marco Terranova. Além de contar a história da raça no país, também faz uma homenagem  aos 50 anos da Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Árabe (ABCCA). A beleza, imponência e história do cavalo árabe estão retratadas com absoluta fidelidade. Além da história estão incluídas cerca de 200 imagens coloridas em 264 páginas.

“Este livro é uma homenagem a todos os criadores brasileiros, dedicados e perserverantes, que há muito desempenham um incansável trabalho de preservação e amor ao cavalo árabe, a despeito de dificuldades de toda sorte e dos desafios do tempo. São pioneiros, cada um a seu modo, que souberam reconhecer o valor dessa raça milenar e, munidos do verdadeiro espírito da criação, se incumbiram da responsabilidade de proteger o seu legado genético, conseguindo aprimorar de muitas formas o patrimônio que receberam”, escreve Mario Braga na introdução do livro.

No livro, o autor destaca a versatilidade do cavalo árabe e afirma que este animal está apto a ser montado em todas as regiões do país: “Desde as clássicas corridas, passando pelas provas de laço e apartação, hipismo rural, performance, e consagrando-se de maneira absoluta no enduro. Obtém-se com êxito a disseminação do cavalo árabe para o trabalho no campo de norte a sul do Brasil”.

Embora não existam registros escritos que indiquem com absoluta precisão o seu início, sabe-se que a criação do cavalo árabe é a mais antiga da humanidade. Sua existência pode ser estimada em mais de 3.500 anos, a partir de desenhos de cavalos orientais em paredes de pedra e objetos de arte  encontrados em países como o Egito e a Grécia e no Sudeste Asiático.  Alguns exemplos são os baixos-relevos assírios abrigados no British Museum, em Londres, ou os registros hieroglíficos datados da época dos faraós Seth I (da batalha de Kadesh.

O mérito da seleção, do desenvolvimento e da preservação das características que fazem do cavalo árabe um animal ímpar até os nossos dias deveu-se às tribos nômades de beduínos na Península Árabe. Mais do que um mero animal de serviço, um bom cavalo significava para eles a diferença entre a vida e a morte no deserto, por meio do triunfo ou fracasso na guerra.

Submetidos às mais rigorosas condições climáticas, os cavalos árabes tiveram que se adaptar a toda sorte de privações, tais como a falta de água e comida, temperaturas elevadíssimas durante o dia e baixíssimas à noite e longas distâncias a serem percorridas em terrenos áridos. Para os interessados, o livro vai custar R$ 140,00 em todo o país.

 

CITEquin - Hospital do Cavalo, Paudalho-PE