Nordeste Rural | Homepage

Reconhecidos os primeiros vinhos brasileiros produzidos na técnica de boas práticas

🕔19.jul 2018

vinhos - produção integradaA Vinícola Ravanello, no município de Gramado (RS), é a primeira empresa brasileira a apresentar o selo da produção integrada em seus rótulos, certificação que atesta o emprego de boas práticas agrícolas e de produção. A chancela assegura que o produto cumpriu uma série de quesitos, que vão desde a redução do uso de químicos na lavoura até a preocupação com a saúde do trabalhador e a sua capacitação, entre vários outros itens que também dão segurança ao consumidor.

Após acompanhamento técnico e auditorias, os vinhos Chardonnay e um assemblage de Merlot e Cabernet Sauvignon, elaborados na Safra 2017/18, receberão o certificado e a autorização do Instituto de Avaliação da Qualidade de Produtos da Cadeia Agro Alimentar (Certifica) para a impressão de selos da produção integrada para as garrafas. O Programa da Produção Integrada tem a chancela do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro).

A conquista do vinho certificado é o resultado de nove anos de pesquisas científicas, período no qual foi avaliado e validado todo o sistema de manejo da uva e o processo de elaboração da bebida. Segundo o pesquisador da Embrapa Uva e Vinho (RS) Samar Velho da Silveira, que lidera o projeto de produção integrada, à medida que as normas propostas pela equipe técnica iam sendo avaliadas e validadas, as vinícolas parceiras já incorporavam as práticas em suas rotinas. “A parceria com produtores nesse processo foi fundamental para conseguirmos ter um sistema que funciona na prática. É um novo momento para os vinhos brasileiros”, comemora o cientista.

Para um vinho receber o selo da produção integrada, um longo caminho deve ser percorrido. O produtor deve contar com assistência técnica capacitada e habilitada em Produção Integrada de Uva para Processamento (PIUP) para conduzir as práticas de manejo no parreiral, atendendo aos princípios e às Normas Técnicas. Entre elas, conduzir sua área dentro das normas durante um ano prévio à certificação e ser auditado por uma certificadora independente, nesse caso, o Instituto de Avaliação da Qualidade de Produtos da Cadeia Agro Alimentar (Certifica).

 

Similar Articles

Pernambucano ganha dinheiro vendendo insetos para alimento de animais

Pernambucano ganha dinheiro vendendo insetos para alimento de animais 0

O comércio de insetos no Brasil está em crescimento e não é de agora que

As vantagens do pastejo integrado entre ovinos e bovinos

As vantagens do pastejo integrado entre ovinos e bovinos 0

Foto: Capri Virtual Praticada em várias partes do mundo, a exploração integrada tem em sua

Receita – Drink maracujack

Receita – Drink maracujack 0

INGREDIENTES:   50 ml de whiskey Jack Daniel’s Meio maracujá 1 colher de sopa de açúcar Refrigerante Citrus   MODO DE FAZER:   Em

O efeito estufa interfere na produção de hortaliças

O efeito estufa interfere na produção de hortaliças 0

O fenômeno do aquecimento global, vem influenciando drasticamente atividades humanas e também com reflexos na

Receita – Cheesecake de Limão com Frutas Vermelhas

Receita – Cheesecake de Limão com Frutas Vermelhas 0

Chef Camila Camargo INGREDIENTES:   Massa 300g bolacha maisena 140g de manteiga derretida 40g de açúcar   Recheio 678g cream cheese em temperatura ambiente 207g

CITEquin - Hospital do Cavalo, Paudalho-PE