Nordeste Rural | Homepage
Advertisement
[ X ]

Proibida a venda de seis marcas de azeite de Oliva no Brasil

🕔11.jul 2019

azeite de olivaA proibição ocorreu depois que a fiscalização do Ministério da Agricultura, detectou que os produtos eram fraudados e impróprios ao consumo e deverão ser recolhidos de atacados e supermercados . A proibição vale para todo o pais e são os azeites das marcas Oliveiras do Conde, Quinta Lusitana, Quinta D’Oro, Évora, Costanera e Olivais do Porto.

O Ministério está intimando as redes varejistas e atacadistas, a informar os estoques existentes, sob pena de autuação em caso de omissão de informações. Os responsáveis pelas marcas são Rhaiza do Brasil Ltda, Mundial Distribuidora e Comercial Quinta da Serra Ltda.

Os comerciantes que forem flagrados vendendo os produtos, após as advertências, serão denunciados ao MPF (Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão), encaminhados à Polícia Judiciária para eventual responsabilização criminal e multados em R$ 5 mil por ocorrência com acréscimo de 400% sobre o valor comercial dos azeites.

A fiscalização do Mapa encontrou os produtos fraudados em oito estados, desde Alagoas até Santa Catarina, em redes de atacado, atacarejo e pequenos mercados. Foram analisadas 19 amostras do Oliveiras do Conde; oito do Quinta Lusitana e duas da marca Évora. Da Costanera e Olivais do Porto, foram encontrados rótulos em uma fábrica clandestina, em Guarulhos (SP).

Segundo o diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal (Dipov) do Ministério, Glauco Bertoldo, a proibição foi resultante de operação, realizada em 12 de maio, pela Delegacia de Polícia de Guarulhos (Demacro – PC/SP), que descobriu uma fábrica clandestina de azeites falsificados, com mistura de óleos, sem a presença de azeite de oliva. “Atualmente, o azeite de oliva é o segundo produto alimentar mais fraudado do mundo, perdendo apenas para o pescado”, alerta o diretor. Glauco Bertoldo adverte que a adulteração e falsificação de azeite de oliva, além de ser fraude ao consumidor, é crime contra a saúde pública.

O Ministério alerta que o consumidor deve desconfiar de azeites muito baratos, pois, em geral, são fraudados. Glauco Bertoldo constata que os produtos fraudados custam em média entre R$ 7 e R$ 10, e o verdadeiro azeite de oliva tem preço a partir de R$ 17.

 

Similar Articles

Cuidados para combater a raiva bovina

Cuidados para combater a raiva bovina 0

A doença atinge todos os mamíferos e animais silvestres. O principal transmissor da raiva é

Estudo mostra quais as melhores regiões para plantar algodão herbáceo

Estudo mostra quais as melhores regiões para plantar algodão herbáceo 0

O levantamento mostra as melhores áreas de plantio do algodão herbáceo para o Distrito Federal

Maior evento indoor do agronegócio nordestino já tem data para acontecer

Maior evento indoor do agronegócio nordestino já tem data para acontecer 0

É o 27º Agrinordeste que vai reunir expositores de onze estados brasileiros a partir do

Receita – Empadão Sertanejo

Receita – Empadão Sertanejo 0

INGREDIENTES: Massa 3 xícaras de Farinha de Trigo Finna 250 g de margarina 1 gema 3 colheres de sopa de

Previsão de recorde na produção de grãos na safra 2018/2019

Previsão de recorde na produção de grãos na safra 2018/2019 0

Em comparação com a safra anterior, o crescimento será de 6% ou 13,7 milhões de

CITEquin - Hospital do Cavalo, Paudalho-PE