Nordeste Rural | Homepage
Advertisement

Os insetos mais usados na preparação de rações para animais

🕔17.out 2018

inseto tenébrio

Para entender o trabalho dos pesquisadores no Brasil e da África, que estão desenvolvendo o uso de insetos na formação da ração para peixes e aves,  é preciso conhecer o ciclo de vida dos insetos, o abate deles e o preparo da ração. A mosca soldado negra, que foi a espécie mais trabalhada na pesquisa, tem um ciclo de vida curto: 15 dias. Da eclosão dos ovos, passando pela fase de larvas – que podem atingir até 27 milímetros – até o ponto de abate, seu desenvolvimento é muito rápido.

A mosca soldado negra tem importância ambiental e econômica. Sua larva é considerada uma grande recicladora de resíduos orgânicos, segundo a pesquisadora. “Em até 15 dias, aproximadamente 45 mil larvas consomem 108 quilos de esterco suíno, que é um problema ambiental e econômico. Os resíduos desse consumo servem para a fertilização de plantações”, explica.

Já no caso do grilo-preto, do ovo até a ninfa, o tempo é de dois meses, quando ele pode ser abatido e virar componente de ração. O tenébrio, também conhecido como bicho-da-farinha, é o inseto que leva mais tempo até chegar ao ponto de abate: seis meses. Na fase adulta ele mede de 12 a 18 milímetros. Livre na natureza, o tenébrio consegue viver de um a dois anos.

“Para alimentar frangos, os insetos são abatidos em água fervente, secos em estufa ou micro-ondas e depois moídos. Em seguida, a farinha é misturada ao farelo de soja ou milho moído, mistura de vitaminas e minerais e disponibilizado para o consumo das aves”, conta Kimpara.

O preparo muda na elaboração da ração de peixes. “Mistura-se farinha de insetos, água, milho moído, óleo de cozinha, vitaminas e minerais. Depois, é só misturar e passar em um moedor de carne para aglutinar os ingredientes, e está pronta a ração”, ensina. A cientista reconhece que hoje no Brasil o grande desafio é conscientizar os produtores sobre a possibilidade do uso de insetos na alimentação animal, a partir de resíduos orgânicos. “Assim, será possível produzir farinha de insetos em larga escala, com qualidade e segurança”, assegura a pesquisadora, Janaína Kimpara, da Embrapa Meio-Norte.

Similar Articles

Especialistas apostam em aumento de canaviais irrigados em 2019

Especialistas apostam em aumento de canaviais irrigados em 2019 0

A popularização da irrigação por pivô central está fazendo a diferença no que diz respeito

Pesquisadores avaliam crescimento na pecuária leiteira para 2019

Pesquisadores avaliam crescimento na pecuária leiteira para 2019 0

Melhora no cenário econômico e safra recorde de grãos devem fazer este ano ser de

Fechados os números do Valor da Produção de 2018

Fechados os números do Valor da Produção de 2018 0

O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) encerrou o ano de 2018 em R$ 569,8

A peste suína clássica pode ser combatida com bom alimentação para os animais

A peste suína clássica pode ser combatida com bom alimentação para os animais 0

O surgimento dos primeiros focos da peste suína no Brasil, em meados do ano passado,

O destaque brasileiro na produção mundial de goiaba e de maracujá-azedo

O destaque brasileiro na produção mundial de goiaba e de maracujá-azedo 0

Foto: Cati Na produção de goiaba, o estado de São Paulo vem se destacando com

CITEquin - Hospital do Cavalo, Paudalho-PE