Nordeste Rural | Homepage
Advertisement

Oportunidade para os atrasados: a vacinação contra aftosa foi prorrogada

🕔04.dez 2018

vacina prorrogadaAlguns estados terão a vacinação prorrogada, segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). A segunda etapa da campanha tem, agora, novo prazo para terminar. Será no próximo dia 10 de dezembro. A prorrogação vale para os estados do Acre, Mato Grosso, Maranhão, Paraná, Rio Grande do Sul, Espírito Santo e no Ceará. No Amazonas a prorrogação se estenderá até 14 de dezembro. O calendário nacional de vacinação previa inicialmente que a imunização encerraria na sexta-feira (30), na maior parte do país.

Nesses estados que irão ampliar o prazo da campanha, foram registradas duas situações frequentes: falta de vacina, pois as revendas de produtos agropecuários adquiriram estoques menores, devido às mudanças na dosagem da vacina previstas para o próximo ano, e por problemas nos sistemas informatizados de controle oficial dos estados.

O Paraná, por exemplo, recebeu quantidade de doses de vacina abaixo da necessidade do rebanho. A previsão era aplicar 10 milhões de doses e as revendas do produto fizeram estoque de apenas 8,3 milhões de unidades. O Rio Grande do Sul informou que faltam vacinas principalmente nas regionais de Erechim, Ijuí e Passo Fundo. Já o Maranhão enfrenta focos de incêndio, que dificultam acessos a propriedades, além de problemas no sistema informatizado.

No Amazonas, o Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável (Idam) informou que possuí 1,3 milhão de doses, suficientes para a imunização do rebanho. Mas as autoridades sanitárias do estado alegam que precisam de mais tempo para a distribuição das vacinas.

Conforme estimativas da Divisão de Febre Aftosa (Difa) do Mapa, neste ano, devem ser utilizadas 337.713.800 doses de vacinas; em 2019, serão 308.235.501; em 2020, 269.395.197; em 2021, 155.118.834. Com a redução do uso da vacina, a partir de 2019, a economia será de R$ 44 milhões; em 2020, de R$ 102 milhões; em 2021, de R$ 274 milhões e, em 2022, de R$ 506 milhões, alcançando quase R$ 1 bilhão, sem contabilizar os gastos com o manejo envolvido na vacinação (mão de obra, cadeia de frio, transporte e outros). A redução do uso se deve à programação de retirada gradual da vacina, o que está previsto no Plano Nacional de Erradicação de Febre Aftosa (PNEFA).

Similar Articles

Especialistas apostam em aumento de canaviais irrigados em 2019

Especialistas apostam em aumento de canaviais irrigados em 2019 0

A popularização da irrigação por pivô central está fazendo a diferença no que diz respeito

Pesquisadores avaliam crescimento na pecuária leiteira para 2019

Pesquisadores avaliam crescimento na pecuária leiteira para 2019 0

Melhora no cenário econômico e safra recorde de grãos devem fazer este ano ser de

Fechados os números do Valor da Produção de 2018

Fechados os números do Valor da Produção de 2018 0

O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) encerrou o ano de 2018 em R$ 569,8

A peste suína clássica pode ser combatida com bom alimentação para os animais

A peste suína clássica pode ser combatida com bom alimentação para os animais 0

O surgimento dos primeiros focos da peste suína no Brasil, em meados do ano passado,

O destaque brasileiro na produção mundial de goiaba e de maracujá-azedo

O destaque brasileiro na produção mundial de goiaba e de maracujá-azedo 0

Foto: Cati Na produção de goiaba, o estado de São Paulo vem se destacando com

CITEquin - Hospital do Cavalo, Paudalho-PE