Nordeste Rural | Homepage
Advertisement

O meio ambiente ganha com o aumento da produção na pecuária

🕔28.jan 2016

efeito estufa2Estudos apontam que a melhor estratégia para garantir o desenvolvimento sustentável da pecuária é sua intensificação. O setor agropecuário brasileiro tem à disposição tecnologias para aumentar a eficiência e, ainda, reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEE). As principais estratégias englobam a recuperação de pastagens degradadas, boas práticas de manejo da planta forrageira e do animal, uso adequado de insumos, melhoramento genético, adoção de sistemas integrados (ILPF, ILP, IPF) e manejo nutricional.

A agropecuária é responsável por 37% das emissões nacionais, segundo estimativas anuais de emissões de GEE, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). Desse total, a pecuária responde por 14,5%. A emissão média anual de metano (CH4) por bovino é de 57 kg/animal/ano. Ações para aumentar a eficiência dos sistemas de produção e melhorar o desempenho dos animais podem reduzir até 35% esse valor. De acordo com o pesquisador Alexandre Berndt, da Embrapa Pecuária Sudeste (SP), é possível reduzi-la para 37,7 kg/animal/ano.

O alto desempenho animal favorece a redução das emissões pelos bovinos. Segundo Berndt, a produção de metano depende da quantidade e qualidade do alimento digerido, tipo de animal, grau de digestibilidade e condições de criação. Ações como a melhoria dos índices zootécnicos de produção e reprodução (redução da idade de abate, do intervalo entre partos, da idade da primeira cria), bem-estar animal e manejo dos bovinos e da pastagem contribuem para redução do metano. Pode-se incluir também o manejo nutricional, com uso de grãos e alimentos concentrados na dieta e processamento adequado das forragens conservadas para aumentar a digestibilidade.

Pesquisas demonstram que o solo perde matéria orgânica e libera maior quantidade de gás carbônico (CO2) para a atmosfera em pastagem degradada. Somente em perdas de carbono do solo, áreas de pasto degradado podem apresentar emissões médias de quatro toneladas de gás carbônico equivalente por hectare ao ano.

Já pastos manejados corretamente, segundo a pesquisadora Patrícia Anchão, da Embrapa, sequestram grandes quantidades de carbono e contribuem para o aumento de matéria orgânica no solo, melhorando a fertilidade e a qualidade da forrageira. “A recuperação de áreas degradadas e a adoção de sistemas integrados, como lavoura-pecuária, silvipastoris e agrossilvipastoris, permitem aumentar a capacidade de suporte animal e evitam a necessidade de se ocupar novas áreas para exploração com pastagens”, ressalta Patrícia.

 

Similar Articles

Organização Mundial de Saúde Animal deve reconhecer o Brasil livre de aftosa com vacina

Organização Mundial de Saúde Animal deve reconhecer o Brasil livre de aftosa com vacina 0

O Comitê Científico da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) recomendou que o Brasil seja

Começa a fiscalização para venda do pescado na Semana Santa

Começa a fiscalização para venda do pescado na Semana Santa 0

O trabalho dos fiscais tem a orientação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e

Árvore na janela

Árvore na janela 0

A imagem inédita se repetiu. Mais uma árvore crescendo em lugar inapropriado. Desta vez foi

Adubo verde in natura com aproveitamento de uma leguminosa do cerrado

Adubo verde in natura com aproveitamento de uma leguminosa do cerrado 0

A camaratuba – cratylia argente – tem como uma de suas características a fixação biológica

Atenção para os donos de granjas de avicultura

Atenção para os donos de granjas de avicultura 0

Para facilitar o controle sanitário das granjas de todo o Brasil, o Ministério da Agricultura,

CITEquin - Hospital do Cavalo, Paudalho-PE