Nordeste Rural | Homepage
/

O controle de pragas nas plantações de café

🕔22.nov 2014

café no péManejo Integrado de Pragas (MIP) é o sistema de manejo que pode ser caracterizado pela combinação dos métodos de controle com princípios ecológicos, econômicos e sociais, visando interferir o mínimo possível no agroecossistema. O MIP associa o ambiente e a dinâmica populacional da espécie, utilizando diferentes táticas como o controle químico; o controle biológico e o controle comportamental, com uso de armadilhas que capturam a praga.

Práticas culturais, como época correta de plantio e colheita, além de estratégias apropriadas indicadas a partir de amostragens que determinam a data correta de iniciar alguma medida de controle podem fazer a diferença no controle das doenças.

A pesquisadora Vera Benassi explica que uma das principais vantagens da adoção do MIP nas lavouras de café é a preservação do meio ambiente e da saúde humana. “Os inseticidas são aplicados apenas quando há necessidade e, fazendo a aplicação correta, o produtor evita que a praga desenvolva resistência ao produto químico”.

Benassi também explica que, para o desenvolvimento e implantação do MIP, são necessários conhecimentos aprofundados sobre o ecossistema, como por exemplo, conhecer as principais pragas que podem causar danos; saber quais as condições climáticas que favorecem ou prejudicam a cultura e essas pragas; se existem inimigos naturais que ocorrem na região e que poderiam ser utilizados no seu controle. Essas informações possibilitam um amplo planejamento, servindo de subsídios para a tomada de decisão quanto à adoção ou não de táticas de controle.

Paulo César Afonso Júnior, pesquisador da Embrapa Café, traz algumas dicas para os produtores que adotam o Manejo Integrado de Pragas do Cafeeiro: “Não faça aplicação de produtos químicos sem antes avaliar se o inseto pode causar danos econômicos, ou seja, para baixos níveis de infestação de alguns insetos, pode ainda não ser o momento para realização de ações drásticas de controle. Procure conhecer os inimigos naturais da praga que ocorrem na sua região e preserve-os, não aplicando produtos químicos desnecessariamente, que podem matá-los e causar desequilíbrios. Procure os técnicos da sua região para orientá-los em relação ao uso de métodos de controle como o biológico e o comportamental através de armadilhas”.

 

Similar Articles

Duas sementes de mandioca adaptadas para o nordeste e principalmente a região do recôncavo baiano

Duas sementes de mandioca adaptadas para o nordeste e principalmente a região do recôncavo baiano 0

A recomendação dos pesquisadores da Embrapa é para o uso de duas variedades de mandioca

A falta de cuidado contra o ataque de vermes prejudica a pecuária brasileira

A falta de cuidado contra o ataque de vermes prejudica a pecuária brasileira 0

A presença de vermes (nematoides) gastrointestinais nos rebanhos de corte e leite pode trazer uma

Alerta aos agricultores contra o ataque do mofo-branco e a antracnose na lavoura de feijão

Alerta aos agricultores contra o ataque do mofo-branco e a antracnose na lavoura de feijão 0

O mofo-branco é uma das principais doenças da cultura do feijão e pode causar perdas

Nova pesquisa assegura: sombra no pasto não favorece o aumento da verminose no rebanho de corte

Nova pesquisa assegura: sombra no pasto não favorece o aumento da verminose no rebanho de corte 0

A incidência de verminoses em gado de corte em sistema silvipastoril (pecuária-floresta) não é maior

Especialistas brasileiros se preparam para bloquear a entrada de vinte pragas que prejudicam as lavouras

Especialistas brasileiros se preparam para bloquear a entrada de vinte pragas que prejudicam as lavouras 0

O bloqueio a vinte pragas consideradas prioritárias pelos prejuízos econômicos que podem causar, já começou

CITEquin - Hospital do Cavalo, Paudalho-PE