Nordeste Rural | Homepage

O controle de pragas nas plantações de café

🕔22.nov 2014

café no péManejo Integrado de Pragas (MIP) é o sistema de manejo que pode ser caracterizado pela combinação dos métodos de controle com princípios ecológicos, econômicos e sociais, visando interferir o mínimo possível no agroecossistema. O MIP associa o ambiente e a dinâmica populacional da espécie, utilizando diferentes táticas como o controle químico; o controle biológico e o controle comportamental, com uso de armadilhas que capturam a praga.

Práticas culturais, como época correta de plantio e colheita, além de estratégias apropriadas indicadas a partir de amostragens que determinam a data correta de iniciar alguma medida de controle podem fazer a diferença no controle das doenças.

A pesquisadora Vera Benassi explica que uma das principais vantagens da adoção do MIP nas lavouras de café é a preservação do meio ambiente e da saúde humana. “Os inseticidas são aplicados apenas quando há necessidade e, fazendo a aplicação correta, o produtor evita que a praga desenvolva resistência ao produto químico”.

Benassi também explica que, para o desenvolvimento e implantação do MIP, são necessários conhecimentos aprofundados sobre o ecossistema, como por exemplo, conhecer as principais pragas que podem causar danos; saber quais as condições climáticas que favorecem ou prejudicam a cultura e essas pragas; se existem inimigos naturais que ocorrem na região e que poderiam ser utilizados no seu controle. Essas informações possibilitam um amplo planejamento, servindo de subsídios para a tomada de decisão quanto à adoção ou não de táticas de controle.

Paulo César Afonso Júnior, pesquisador da Embrapa Café, traz algumas dicas para os produtores que adotam o Manejo Integrado de Pragas do Cafeeiro: “Não faça aplicação de produtos químicos sem antes avaliar se o inseto pode causar danos econômicos, ou seja, para baixos níveis de infestação de alguns insetos, pode ainda não ser o momento para realização de ações drásticas de controle. Procure conhecer os inimigos naturais da praga que ocorrem na sua região e preserve-os, não aplicando produtos químicos desnecessariamente, que podem matá-los e causar desequilíbrios. Procure os técnicos da sua região para orientá-los em relação ao uso de métodos de controle como o biológico e o comportamental através de armadilhas”.

 

Similar Articles

Organização Mundial de Saúde Animal deve reconhecer o Brasil livre de aftosa com vacina

Organização Mundial de Saúde Animal deve reconhecer o Brasil livre de aftosa com vacina 0

O Comitê Científico da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) recomendou que o Brasil seja

Começa a fiscalização para venda do pescado na Semana Santa

Começa a fiscalização para venda do pescado na Semana Santa 0

O trabalho dos fiscais tem a orientação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e

Árvore na janela

Árvore na janela 0

A imagem inédita se repetiu. Mais uma árvore crescendo em lugar inapropriado. Desta vez foi

Adubo verde in natura com aproveitamento de uma leguminosa do cerrado

Adubo verde in natura com aproveitamento de uma leguminosa do cerrado 0

A camaratuba – cratylia argente – tem como uma de suas características a fixação biológica

Atenção para os donos de granjas de avicultura

Atenção para os donos de granjas de avicultura 0

Para facilitar o controle sanitário das granjas de todo o Brasil, o Ministério da Agricultura,

CITEquin - Hospital do Cavalo, Paudalho-PE