Nordeste Rural | Homepage
Advertisement

Nova tecnologia de confinamento está sendo testada para o clima brasileiro

🕔25.nov 2016

confinamento-vacasÉ o chamado “Compost Barn”, que pode ser traduzido livremente como “Estábulo de Composto”. Uma técnica muito usada em vários países e que oferece mais confortável ao gado. Atualmente esse tipo de manejo vem despertando o interesse de produtores de leite. Esse tipo de confinamento aumenta o bem-estar animal e já é muito utilizado em países de clima temperado.

Trata-se de uma alternativa aos sistemas de produção de leite em confinamento denominados free stall, no qual as vacas ficam retidas em baias de poucos metros quadrados, ou tie stall, em que os animais são criados, também em baias individuais, presos a correntes. O Compost Barn tem por característica deixar os animais livres no estábulo. Embora continue confinada, a vaca circula à vontade, interagindo com as outras, o que possibilita que ela exercite seus instintos sociais com o grupo e apresente cio com mais facilidade, o que melhora os índices reprodutivos.

Esse sistema de produção já é adotado em países como Estados Unidos, Canadá, Holanda e Israel desde meados de 1980. Cerca de 300 produtores brasileiros já optaram pelo Compost Barn, seja adaptando antigos free stalls, seja construindo um novo sistema. Mas ainda há poucas informações da pesquisa agropecuária nacional sobre sua adaptabilidade às condições do País. Para suprir esta lacuna, a Embrapa Gado de Leite (MG) vem realizando, desde 2014, um estudo sobre o uso do Compost Barn. “Por ser uma tecnologia importada de países com clima temperado é necessário que verifiquemos sua adaptabilidade às condições tropicais”, diz o pesquisador Alessandro Guimarães, que está à frente dos trabalhos.

A analista Letícia Mendonça, que integra a equipe da Embrapa Gado de Leite responsável pelos estudos, informa que três propriedades em Minas Gerais que adotam o sistema estão sendo acompanhadas. Nos laboratórios da Embrapa de da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) são realizadas análises sobre a qualidade do leite e a microbiologia dos compostos orgânicos utilizados nas camas.

A principal característica do Compost Barn é a utilização de uma “cama” orgânica cobrindo todo o estábulo. Em função dessa característica, vários outros aspectos de engenharia agronômica foram modificados em comparação aos sistemas de confinamento tradicionais. As baias, com suas camas de areia ou de borracha, por exemplo, foram abolidas. Em vez do concreto, que prejudica o casco dos bovinos, o piso do estábulo é formado por material orgânico que pode ser serragem e casca de amendoim, ou outro material orgânico que seja de baixo custo e de fácil disponibilidade para o produtor.

No entanto, os pesquisadores ainda são cautelosos em relação ao sistema. “Precisamos aprofundar os estudos para dar respostas sólidas aos produtores no que diz respeito à viabilidade econômica, com relação aos custos de implantação e manutenção do sistema. Também é preciso ampliar o conhecimento sobre a microbiologia da cama, a incidência de mastite e a qualidade do leite”, pondera Guimarães.

Similar Articles

Especialistas apostam em aumento de canaviais irrigados em 2019

Especialistas apostam em aumento de canaviais irrigados em 2019 0

A popularização da irrigação por pivô central está fazendo a diferença no que diz respeito

Pesquisadores avaliam crescimento na pecuária leiteira para 2019

Pesquisadores avaliam crescimento na pecuária leiteira para 2019 0

Melhora no cenário econômico e safra recorde de grãos devem fazer este ano ser de

Fechados os números do Valor da Produção de 2018

Fechados os números do Valor da Produção de 2018 0

O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) encerrou o ano de 2018 em R$ 569,8

A peste suína clássica pode ser combatida com bom alimentação para os animais

A peste suína clássica pode ser combatida com bom alimentação para os animais 0

O surgimento dos primeiros focos da peste suína no Brasil, em meados do ano passado,

O destaque brasileiro na produção mundial de goiaba e de maracujá-azedo

O destaque brasileiro na produção mundial de goiaba e de maracujá-azedo 0

Foto: Cati Na produção de goiaba, o estado de São Paulo vem se destacando com

CITEquin - Hospital do Cavalo, Paudalho-PE