Nordeste Rural | Homepage

Nova tecnologia ajuda a reduzir o uso de defensivos agrícolas em plantações de hortaliças

🕔10.jul 2018

repolho-cursos-cptPequenos produtores baianos têm conseguido diminuir em até 90% a aplicação de defensivos agrícolas no cultivo de repolho. O resultado é alcançado graças ao projeto de pesquisa desenvolvido pelo Instituto Biológico (IB-APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, em parceria com o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo (Sebrae-SP) e a empresa Fênixnet. O projeto também está sendo desenvolvido junto a agricultores de Pernambuco e de Mogi das Cruzes, principal região fornecedora de hortaliças para a Capital paulista.

De acordo com o pesquisador do IB, Fernando Javier Sanhueza Salas, a diminuição na aplicação de defensivos agrícolas se deve à transferência de tecnologia de manejo fitossanitário aos produtores, introduzindo princípios de Manejo Integrado de Pragas, e ao uso das chamadas coberturas flutuantes de Agrotêxtil. “O Agrotêxtil é um tecido derivado do polipropileno, que pode ser reciclado. É uma tecnologia muito utilizada na produção de hortaliças na Europa, com destaque para a Espanha, e na produção de melão para exportação em Mossoró, no Rio Grande do Norte”, explica.

A vantagem, segundo o pesquisador, é que o tecido impede a entrada de insetos que atacam o cultivo, principalmente de hortaliças e hortifrutis, funcionando como uma barreira física. “Em muitos casos, os produtores precisam fazer apenas uma aplicação de defensivo, antes de utilizar a cobertura e, de acordo com a cultura, fazer mais uma, quando estiver na metade do ciclo da planta e for necessária a polinização”, afirma Salas.

Em Mogi das Cruzes, produtores de tomate conseguiram diminuir em 70% a aplicação de defensivos. Em Irecê, na Bahia, agricultores conseguiram diminuir de seis para uma aplicação de defensivo no cultivo de hortaliças. Em repolho, a redução do uso de controle químico foi de 90%. “Além do impacto econômico, há também contribuições para o meio ambiente e para a segurança e saúde do trabalhador rural, que não fica exposto ao produto químico”, explica o pesquisador do IB.

Similar Articles

Cientistas brasileiros criam uma cultivar de mamona sem veneno para os animais

Cientistas brasileiros criam uma cultivar de mamona sem veneno para os animais 0

A pesquisa genética foi desenvolvida pelos pesquisadores da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia. Eles conseguiram

Um porta-enxerto híbrido ajuda a proteger o plantio de pimentão contra as pragas

Um porta-enxerto híbrido ajuda a proteger o plantio de pimentão contra as pragas 0

É o BRS Acará, porta-enxerto híbrido que tem como público-alvo produtores de pimentão em cultivo

Receita:  Sopa de Cebola

Receita: Sopa de Cebola 0

Esta sopa está no cardápio do restaurante 150 Maksoud, localizado no Hotel Maksoud Plaza, em

Tempo beneficia as lavouras de inverno

Tempo beneficia as lavouras de inverno 0

O tempo no Brasil vai se dividir entre a faixa litorânea do nordeste e o

Reconhecidos os primeiros vinhos brasileiros produzidos na técnica de boas práticas

Reconhecidos os primeiros vinhos brasileiros produzidos na técnica de boas práticas 0

A Vinícola Ravanello, no município de Gramado (RS), é a primeira empresa brasileira a apresentar

CITEquin - Hospital do Cavalo, Paudalho-PE