Nordeste Rural | Homepage

Nova técnica de inseminação melhora o nível de prenhez de vacas

🕔27.fev 2016

inseminação técnica novaA nova técnica é chamada de inseminação Artificial em Tempo fixo – IATF – em Blocos, foi desenvolvida pelos pesquisadores da Embrapa Rondônia. A nova técnica feita em Blocos resultou em aumentos de 10% a 20% de prenhez em relação às vacas submetidas à metodologia de IATF convencional. De acordo com o pesquisador da Embrapa, Luiz Pfeifer, responsável pelo trabalho, a taxa de prenhez – relação entre fêmeas prenhes sobre o total de inseminadas – pode chegar a 70% com a nova técnica, enquanto que o método convencional alcança em média de 40% a 60%. “A IATF em Blocos foi desenvolvida para aproveitar o máximo potencial reprodutivo de fêmeas bovinas submetidas a um protocolo de IATF”, declara o especialista.

De acordo com Pfeifer, o diferencial da IATF em Blocos é a realização da inseminação artificial de acordo com o diâmetro do folículo dominante, ou seja, a resposta do ovário da vaca. Para utilizar a nova técnica, no dia de realização da IATF, inicialmente as fêmeas são avaliadas por ultrassonografia para se estimar o momento da ovulação. Dessa forma, realiza-se a inseminação artificial de acordo com o momento mais favorável para a fecundação, diferentemente da forma tradicional, que não leva em consideração a estimativa do momento da ovulação. “Com isso é possível inseminar as vacas em momento mais adequado e conseguir o aumento de fertilidade nos protocolos de IATF mais utilizados para vacas de corte no Brasil, taxas que estavam estabilizadas entre 40% a 60% de prenhez há duas décadas”, comenta Pfeifer.

A metodologia foi desenvolvida para vacas zebuínas de corte, Nelore, com cria ao pé e será avaliada para outras raças, de acordo com o pesquisador. Por requerer a atuação de profissional treinado e que possua equipamento de ultrassonografia, tem maior alcance para médios e grandes produtores. Porém, em regiões com programas governamentais de inseminação, como ocorre em Rondônia, essa técnica pode ser empregada para rebanhos de produtores familiares. Considerando, apenas Rondônia, o pesquisador acredita que cerca de 250 mil fêmeas da raça Nelore, atualmente, já podem ser inseminadas com essa técnica.

 

 

Similar Articles

O impressionante crescimento da produção de soja no Brasil

O impressionante crescimento da produção de soja no Brasil 0

Nos últimos 20 anos, o crescimento anual da produção de soja no Brasil foi de

Cientistas usam uma planta amazônica para aumentar a quantidade do ômega 3 no tambaqui

Cientistas usam uma planta amazônica para aumentar a quantidade do ômega 3 no tambaqui 0

Pesquisa desenvolvida na Embrapa Amazônia Ocidental (AM) conseguiu resultados promissores ao buscar aumentar a quantidade

Entidades do agronegócio afinam as regras de conduta para melhorar a participação do país no mercado internacional

Entidades do agronegócio afinam as regras de conduta para melhorar a participação do país no mercado internacional 0

Um encontro entre representantes do agronegócio e o Secretário-executivo do Ministério da Agricultura, Pecuária e

A história do cultivo da soja no Brasil

A história do cultivo da soja no Brasil 0

A soja vem sendo cultivada há mais de duas décadas em 15 estados brasileiros, portanto,

Produtores de arroz se reúnem hoje para definir metas de exportação

Produtores de arroz se reúnem hoje para definir metas de exportação 0

A participação do arroz brasileiro no mercado internacional nos próximos dois anos terá um ponto