Nordeste Rural | Homepage

Nova pesquisa assegura: sombra no pasto não favorece o aumento da verminose no rebanho de corte

🕔06.dez 2017

gado na sombraA incidência de verminoses em gado de corte em sistema silvipastoril (pecuária-floresta) não é maior do que na pecuária exclusiva. A conclusão é de uma pesquisa que acaba de ser encerrada na Embrapa Agrossilvipastoril, em Sinop (MT). A informação contraria a hipótese inicial de que as condições microclimáticas no sistema silvipastoril poderiam favorecer a ocorrência de vermes.

Esse resultado mostra que, nos sistemas de pecuária integrada com árvores, o controle de verminoses não precisa ser diferente em relação à pecuária tradicional. O número de dosagens de vermífugos deve ser o mesmo em ambos os sistemas de produção.

Financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Mato Grosso (Fapemat), a pesquisa avaliou durante dois anos a quantidade de ovos de helmintos por grama de fezes em animais da raça Nelore, com peso inicial de 250 kg. Também foram monitoradas a quantidade e a diversidade de espécies de insetos coleópteros nos sistemas, como os besouros rola-bosta. Esses animais atuam na decomposição do bolo fecal.

Como os vermes utilizam as fezes frescas na fase de vida livre, a atuação dos coleópteros e o tempo necessário à degradação do bolo fecal estão diretamente relacionados à incidência de verminoses no rebanho, proporcionando um controle natural.

De acordo com o pesquisador Luciano Lopes, quando comparados os dois sistemas, não houve diferença nem na quantidade de ovos de helmintos presentes nas fezes, nem na quantidade e diversidade de coleópteros e nem mesmo no tempo de decomposição do bolo fecal. A comparação entre o rendimento do gado em ganho de peso também não indicou qualquer variação causada pelas verminoses.

“Nos respaldamos na literatura para explicar o que pode ter acontecido. Uma das razões que considero pertinentes é que como no sistema solteiro nós trabalhamos bem e com alta performance, e alta lotação, encontrei nesse monocultivo uma disponibilidade de alimento muito grande para esses besouros. Talvez esse seja um fator fundamental. Se eu tivesse comparado com uma pastagem com menor capacidade de suporte, talvez encontrasse diferença. Como tenho um número maior de placas fecais e consequentemente maior disponibilidade de alimentos, isso pode ter feito a diferença”, avalia o pesquisador da Embrapa Luciano Lopes. Considerado positivo para o sistema ILPF, o resultado contraria a hipótese inicial de que o sombreamento aumentaria a incidência de verminoses.

 

Similar Articles

O Brasil pode sofrer novo período de El Niño no clima de todas as regiões

O Brasil pode sofrer novo período de El Niño no clima de todas as regiões 0

Os estudos realizados até agora indicam que há quase 80% de chance de se configurar

Um recorde para as vendas do agronegócio no primeiro semestre do ano

Um recorde para as vendas do agronegócio no primeiro semestre do ano 0

As exportações brasileiras do agronegócio subiram de US$ 56,39 bilhões para US$ 59,2 bilhões entre

Conheça tudo sobre a bebida mais brasileira de todas

Conheça tudo sobre a bebida mais brasileira de todas 0

A denominação de origem da Cachaça é o Brasil. A bebida tem cerca de 500

A importância das vitaminas para a boa formação dos animais

A importância das vitaminas para a boa formação dos animais 0

A vitamina A é essencial para o crescimento, reprodução (espermatogênese), proteção dos epitélios (pele, mucosas

Suplementação de vitaminas para bovinos garante melhor produtividade do rebanho

Suplementação de vitaminas para bovinos garante melhor produtividade do rebanho 0

Suplementação de vitaminas A, D e E, uma das medidas adotadas nas propriedades para manutenção

CITEquin - Hospital do Cavalo, Paudalho-PE