Nordeste Rural | Homepage
Advertisement

Manejo correto ajuda a conter o ataque de vermes entre ovinos

🕔31.out 2014

Práticas simples de manejo do rebanho podem propiciar um controle eficiente de verminoses. O resultado aparece no ganho de peso dos animais e na redução de gastos do produtor com uso de vermífugos. Os ovinos são susceptíveis aos vermes em qualquer faixa etária, o que pode acarretar atraso no desenvolvimento corporal, menor performance produtiva e reprodutiva e até levar à morte. Dentre os parasitas de ovinos, o Haemonchus contortus é o mais patogênico e de maior predominância e impacto na ovinocultura. O verme alimenta-se de sangue, causando anemia nos ovinos.

Em condições inadequadas de alimentação, o quadro pode agravar-se e ocasionar enfraquecimento do sistema imunológico, deixando os animais vulneráveis a outros parasitas ou doenças. Pesquisas realizadas na Embrapa Pecuária Sudeste indicam que o controle parasitário deve ser feito com cautela. De acordo com a pesquisadora Ana Carolina Chagas, a manutenção de uma população parasitária baixa é desejável, diante do perigo do estabelecimento da resistência quando se objetiva a eliminação completa dos vermes dos ovinos.

O que ocorre frequentemente é o uso excessivo de vermífugos, elevando os gastos com medicamentos antiparasitários e um rápido estabelecimento da resistência na propriedade. Algumas práticas são recomendadas pela Embrapa e podem auxiliar os produtores contra o perigo da resistência. Segundo a pesquisadora, apenas os animais que realmente precisam de tratamento devem ser vermifugados. O produtor também deve evitar a troca frequente de vermífugos, pois essa prática aumenta a resistência em médio prazo. Antes da adoção de um vermífugo, é importante realizar um teste de eficácia para definir se o medicamento está funcionando na propriedade. A alimentação precisa ser adequada a cada categoria animal, porque uma dieta pobre em proteína pode deixar os animais vulneráveis à verminose.

O monitoramento constante do rebanho é uma prática eficiente. O método indicado é o Famacha, que consiste no tratamento seletivo dos animais. Somente aqueles que apresentam grau acentuado de anemia devem ser vermifugados. Nos ovinos que precisam ser tratados, o produtor deve administrar a dose correta do anti-helmíntico de acordo com o peso e a indicação do fabricante.

Na estação chuvosa, os ovinos podem ser monitorados a cada 10 dias e, na seca, a cada 20 dias ou mais. O intervalo dependerá principalmente do estado nutricional e da contaminação da pastagem em cada propriedade.

 

Similar Articles

Antioxidante não deixa a maçã escurecer depois de cortada

Antioxidante não deixa a maçã escurecer depois de cortada 0

A nova tecnologia foi desenvolvida pelo pesquisador, Rufino Fernando Flores Cantillano, da Embrapa Clima Temperado,

Receita – Talharim primavera

Receita – Talharim primavera 0

INGREDIENTES:   Para a massa: - 500g de talharim - ½ xícara (chá) de Margarina Delícia Supreme (100g) - 2

Vendas para o mercado asiático podem melhorar o desempenho das exportações de carne suína brasileira

Vendas para o mercado asiático podem melhorar o desempenho das exportações de carne suína brasileira 0

Foto R Globo Rural As vendas de carne suína pelos produtores brasileiros alcançam 155,2 mil

As cores do Recife no céu

As cores do Recife no céu 0

Hoje cedo o Recife acordou com um belo adorno no céu. O arco-íris se projetou

Uma tecnologia simples ajuda a controlar a irrigação automaticamente

Uma tecnologia simples ajuda a controlar a irrigação automaticamente 0

A tecnologia consegue reduzir o consumo de água e energia na lavoura em até 50%.

CITEquin - Hospital do Cavalo, Paudalho-PE