Nordeste Rural | Homepage

Manejo correto ajuda a conter o ataque de vermes entre ovinos

🕔31.out 2014

Práticas simples de manejo do rebanho podem propiciar um controle eficiente de verminoses. O resultado aparece no ganho de peso dos animais e na redução de gastos do produtor com uso de vermífugos. Os ovinos são susceptíveis aos vermes em qualquer faixa etária, o que pode acarretar atraso no desenvolvimento corporal, menor performance produtiva e reprodutiva e até levar à morte. Dentre os parasitas de ovinos, o Haemonchus contortus é o mais patogênico e de maior predominância e impacto na ovinocultura. O verme alimenta-se de sangue, causando anemia nos ovinos.

Em condições inadequadas de alimentação, o quadro pode agravar-se e ocasionar enfraquecimento do sistema imunológico, deixando os animais vulneráveis a outros parasitas ou doenças. Pesquisas realizadas na Embrapa Pecuária Sudeste indicam que o controle parasitário deve ser feito com cautela. De acordo com a pesquisadora Ana Carolina Chagas, a manutenção de uma população parasitária baixa é desejável, diante do perigo do estabelecimento da resistência quando se objetiva a eliminação completa dos vermes dos ovinos.

O que ocorre frequentemente é o uso excessivo de vermífugos, elevando os gastos com medicamentos antiparasitários e um rápido estabelecimento da resistência na propriedade. Algumas práticas são recomendadas pela Embrapa e podem auxiliar os produtores contra o perigo da resistência. Segundo a pesquisadora, apenas os animais que realmente precisam de tratamento devem ser vermifugados. O produtor também deve evitar a troca frequente de vermífugos, pois essa prática aumenta a resistência em médio prazo. Antes da adoção de um vermífugo, é importante realizar um teste de eficácia para definir se o medicamento está funcionando na propriedade. A alimentação precisa ser adequada a cada categoria animal, porque uma dieta pobre em proteína pode deixar os animais vulneráveis à verminose.

O monitoramento constante do rebanho é uma prática eficiente. O método indicado é o Famacha, que consiste no tratamento seletivo dos animais. Somente aqueles que apresentam grau acentuado de anemia devem ser vermifugados. Nos ovinos que precisam ser tratados, o produtor deve administrar a dose correta do anti-helmíntico de acordo com o peso e a indicação do fabricante.

Na estação chuvosa, os ovinos podem ser monitorados a cada 10 dias e, na seca, a cada 20 dias ou mais. O intervalo dependerá principalmente do estado nutricional e da contaminação da pastagem em cada propriedade.

 

Similar Articles

O impressionante crescimento da produção de soja no Brasil

O impressionante crescimento da produção de soja no Brasil 0

Nos últimos 20 anos, o crescimento anual da produção de soja no Brasil foi de

Cientistas usam uma planta amazônica para aumentar a quantidade do ômega 3 no tambaqui

Cientistas usam uma planta amazônica para aumentar a quantidade do ômega 3 no tambaqui 0

Pesquisa desenvolvida na Embrapa Amazônia Ocidental (AM) conseguiu resultados promissores ao buscar aumentar a quantidade

Entidades do agronegócio afinam as regras de conduta para melhorar a participação do país no mercado internacional

Entidades do agronegócio afinam as regras de conduta para melhorar a participação do país no mercado internacional 0

Um encontro entre representantes do agronegócio e o Secretário-executivo do Ministério da Agricultura, Pecuária e

A história do cultivo da soja no Brasil

A história do cultivo da soja no Brasil 0

A soja vem sendo cultivada há mais de duas décadas em 15 estados brasileiros, portanto,

Produtores de arroz se reúnem hoje para definir metas de exportação

Produtores de arroz se reúnem hoje para definir metas de exportação 0

A participação do arroz brasileiro no mercado internacional nos próximos dois anos terá um ponto