Nordeste Rural | Homepage

Gotejamento na irrigação e polinização por diferentes espécies de abelhas melhora a qualidade do morango

🕔18.jun 2018

OLYMPUS DIGITAL CAMERAA presença de uma diversidade de abelhas nas flores do morangueiro melhora a produtividade, a qualidade e até aumenta a durabilidade da fruta. Estudos demonstram que morangos polinizados por diferentes espécies desses insetos são mais pesados, apresentam menos deformações, coloração vermelha mais intensa e atingem grades de classificação comercial mais elevadas. Eles também são mais firmes e apresentam maior tempo de prateleira.

Ao reunir essas informações geradas no Brasil e no mundo, a pesquisadora Katia Braga, da Embrapa Meio Ambiente (SP), elaborou um comunicado técnico para explicar a produtores e técnicos agrícolas a importância desses polinizadores e como mantê-los na lavoura. Para favorecer a abundância e a diversidade de abelhas na cultura, ao longo da florada, a cientista recomenda cultivar o morangueiro próximo à vegetação natural, restaurar e diversificar áreas de florestas próximas, além de realizar a limpeza das plantas, tornando suas flores mais visíveis e acessíveis aos polinizadores.

“Para a irrigação da lavoura, deve-se adotar um método que não interfira na atratividade da florada, como o gotejamento, já que a aspersão remove o néctar e o pólen, que são recursos coletados pelas abelhas. Se [a irrigação] for mesmo necessária, deverá ser feita somente após as 14 horas, quando o número de abelhas nas flores começa a diminuir”, recomenda a pesquisadora. Para o controle fitossanitário, a cientista aconselha empregar o manejo integrado de pragas (MIP) e o controle biológico, pois o controle químico pode matar as abelhas, caso dos inseticidas, afetar sua capacidade de voo, enfraquece seu sistema imunológico e, ainda, pode repelir esses insetos.

Braga pesquisou, durante seu doutorado, o efeito de várias espécies de abelhas na cultura do morango. Entre as conclusões da pesquisa, a cientista percebeu que algumas espécies tiveram efeitos complementares nas cultivares analisadas. “Cada uma distribuiu o pólen em diferentes regiões do receptáculo floral (miolo da flor), completando a polinização uma da outra; essa complementação é importante, pois o peso do morango é proporcional ao número de pistilos (estruturas femininas) em que ocorreu a fecundação, processo que depende da polinização”, detalha a pesquisadora. Ela explica que nas regiões não fecundadas ocorre uma deformação, formada de uma a várias cavidades ou depressões no fruto. E quanto maior a flor, maior será a dependência da polinização por abelhas. Por isso, são os morangos grandes que apresentam deformações com maior frequência.

 

 

 

 

Similar Articles

O combate ao pulgão da erva-doce é fácil e barato

O combate ao pulgão da erva-doce é fácil e barato 0

A erva-doce, planta medicinal, aromática e condimentar, muito cultivada na Mesorregião do Agreste paraibano é

Receita – Drink para a primavera: Margarita

Receita – Drink para a primavera: Margarita 0

INGREDIENTES: 1 ¹/² dose de tequila el Jimador Blanco Suco de ¹/² limão 55 ml de licor de

O desperdício de alimento no Brasil

O desperdício de alimento no Brasil 0

A dupla mais famosa da culinária brasileira, o arroz e feijão, quem diria, estão entre

Feira Livre – Passe o fim de semana no friozinho de Gravatá.

Feira Livre – Passe o fim de semana no friozinho de Gravatá. 0

Oportunidade: alugo para fins de semana ou temporada -  apartamento tipo flat no edifício Gravatá, com

Receita  – Cassoulet com harmonização de vinho

Receita – Cassoulet com harmonização de vinho 0

INGREDIENTES:   500 ml de caldo de frango 1 paio ou linguiça defumada (150 g) 1 peito de frango

CITEquin - Hospital do Cavalo, Paudalho-PE