Nordeste Rural | Homepage

Exportações de carne suína cresceram 17,6% este ano

🕔26.out 2017

carne suína 2E com isso, acumulam volume de vendas de US$ 1,248 bilhão. Desempenho é 17,6% superior ao registrado no ano anterior. A informação é da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). As vendas realizadas entre janeiro e setembro totalizaram US$ 1,248 bilhão. No mesmo período do ano passado, foram obtidos US$ 1,061 bilhão.

Mas esse resultado tem números diferentes no volume embarcado entre janeiro e setembro chegaram a 530,8 mil toneladas, número 3,8% menor que o obtido no ano anterior, com 551,9 mil toneladas. No comparativo mensal, as vendas de setembro chegaram a 61 mil toneladas, desempenho 16,7% menor que o registrado no nono mês de 2016, com 73 mil toneladas (o maior resultado mensal já registrado pelas exportações brasileiras de carne suína). Com os embarques de setembro, o setor obteve US$ 139,9 milhões, receita 16,7% inferior ao anotado no mesmo mês do ano passado, com US$ 168 milhões.

Principal importadora de carne suína do Brasil, a Rússia foi destino de 210,3 mil toneladas entre janeiro e setembro, desempenho 11,7% superior que o obtido no mesmo período do ano passado (188,4 mil toneladas).

“A Rússia incrementou suas compras e a participação nas exportações totais do Brasil, sendo responsável por 40,8% das vendas brasileiras em 2017. O sólido relacionamento que construímos com o mercado russo foi especialmente notável este ano”, destaca Francisco Turra, presidente-executivo da ABPA.

No segundo posto, Hong Kong (principal destino da Ásia) importou 112,2 mil toneladas, número 10,8% em relação aos nove primeiros meses de 2016 (com 125,9 mil toneladas).

Destaque entre os importadores das Américas, a Argentina foi destino de 23,5 mil toneladas entre janeiro e setembro deste ano, volume 48,7% maior que o registrado no ano anterior (15,8 mil toneladas).

Maior importadora entre os países da África, para Angola foram embarcadas 23,2 mil toneladas entre janeiro e setembro (+14%, contra 20,4 mil toneladas em 2016).

Recém-aberto para as exportações de estados livres de aftosa com vacinação, e agregando um novo produto à pauta – a carne suína com osso – o mercado de Singapura registra elevação de 2,3% nas importações em 2017, com 24,9 mil toneladas – contra 24,4 mil toneladas entre janeiro e setembro do ano passado.

“Com a abertura para novos produtos e novas áreas exportadoras do Brasil, é esperado que Singapura assuma um papel ainda mais expressivo em nossas exportações a partir de 2018. Hoje é o quarto maior importador, responsável por 4,8% do total dos embarques brasileiros neste ano”, destaca Ricardo Santin, vice-presidente de mercados da ABPA.

Similar Articles

O uso de forragens para obter mais alimentos para os animais

O uso de forragens para obter mais alimentos para os animais 0

O cultivo de forrageiras traz economia para o pecuarista que podem gastar menos com a

A palma nos jardins da França

A palma nos jardins da França 0

Incrível, mas a palma forrageira, tão conhecida no nordeste para alimentar o gado, também é

É possível fazer defensivos caseiros para o controle de pragas e doenças das hortaliças

É possível fazer defensivos caseiros para o controle de pragas e doenças das hortaliças 0

O ataque de pragas e doenças é um dos maiores problemas enfrentados por pequenos ou

Um cercado francês no outono

Um cercado francês no outono 0

O cercado está pronto para receber os animais. O pasto é verde e exuberante, como

Uma semente de macaxeira sem fiapo e mais produtiva

Uma semente de macaxeira sem fiapo e mais produtiva 0

Uma macaxeira amarela, macia e saborosa, a Aipim Manteiga não apresenta fibras, tem sabor adocicado

CITEquin - Hospital do Cavalo, Paudalho-PE