Nordeste Rural | Homepage
Advertisement

Eficiência da produção pecuária reduz emissão de gases-estufa

🕔29.mai 2015

gase estufa bovinosA emissão média anual brasileira de gases-estufa  é de 57 kg de metano por animal. De acordo com o pesquisador Alexandre Berndt, da Embrapa Pecuária Sudeste, em São Paulo, com ações para aumentar a eficiência da produção pecuária e melhorar o desempenho dos bovinos é possível reduzi-la para 37,7 kg.

Pesquisas indicam que a pecuária contribui para a emissão de gases de efeito estufa (GEE), como metano e óxido nitroso (N2O). Conforme a pesquisadora Patrícia Perondi Anchão, da Embrapa Pecuária Sudeste, uma simulação de balanço entre as emissões e as remoções de gases de efeito estufa em um processo de recuperação de pastagem revelou que é possível a obtenção de saldo positivo de carbono.

No caso dos bovinos, a emissão média anual de metano (CH4) por bovinos pode ser reduzida em até 35% com a adoção de estratégias de mitigação. Alguns sistemas de produção, como a integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF), e alterações na nutrição animal, como inclusão de aditivos na dieta bovina que melhoram a sua digestibilidade, são estratégias pesquisadas pela Embrapa e que têm potencial para diminuir as emissões da agropecuária. Isso ocorre porque os sistemas integrados retêm mais carbono e uma melhor digestão promove menores emissões de metano pelos animais.

No entanto, o problema é mais grave em áreas de pastagem degradada, porque nessas condições, o solo perde matéria orgânica e libera maior quantidade de gás carbônico (CO2) para a atmosfera.  De acordo com a pesquisadora, para manter o desenvolvimento do setor é necessário observar a dinâmica de gases de efeito estufa nos sistemas de forma holística. “Deve-se levar em consideração todos os compartimentos dos sistemas produtivos: solo, planta, animal e atmosfera, já que alguns componentes podem realizar a remoção dos GEE, reduzindo as emissões”, esclarece.

Segundo a pesquisadora, pastagens manejadas de forma adequada sequestram grandes quantidades de carbono e contribuem, ainda, para o aumento de matéria orgânica na área, melhorando a fertilidade do solo e a qualidade da pastagem.

Patrícia Anchão destaca que a falta de correção do solo, de fertilização de manutenção, de controle da erosão, associada ao manejo inadequado da planta forrageira, tem levado à degradação de milhões de hectares de pastagens. “A recuperação dessas áreas degradadas e a adoção de sistemas integrados, como lavoura-pecuária, silvipastoris e agrossilvipastoris, permitem aumentar a capacidade de suporte animal e evita a necessidade de se ocupar novas áreas para exploração com pastagens”, ressalta.

Similar Articles

A possibilidade de bons negócios leva o produtor rural correr aos bancos e aumentar o volume de contratação do crédito agrícola

A possibilidade de bons negócios leva o produtor rural correr aos bancos e aumentar o volume de contratação do crédito agrícola 0

As contratações de crédito agrícola, no primeiro bimestre do Plano Agrícola e Pecuário 2018/19, tiveram

Entenda as diferenças de bovinos criados em confinamento e os criados a pasto

Entenda as diferenças de bovinos criados em confinamento e os criados a pasto 0

É no campo que quase tudo acontece, com a alimentação do animal cumprindo papel determinante

Os benefícios da castanha-do-brasil para a saúde humana

Os benefícios da castanha-do-brasil para a saúde humana 0

Versátil e nutritiva, a castanha-do-brasil ou castanha-do-pará, um dos produtos mais comuns e famosos da

Controle da plantação de mandioca no semiárido usando o sistema de produção agroecológica

Controle da plantação de mandioca no semiárido usando o sistema de produção agroecológica 0

O sistema de produção agroecológico visa o resgate de práticas agrícolas já conhecidas pelos produtores,

Aprenda a cultivar e processar a colheita da erva-doce

Aprenda a cultivar e processar a colheita da erva-doce 0

A erva-doce é uma planta cultivada em quase todo o Brasil. Na Região Nordeste, o

CITEquin - Hospital do Cavalo, Paudalho-PE