Nordeste Rural | Homepage
Advertisement
[ X ]

Culturas vulneráveis aos ataques da mosca-branca

🕔02.fev 2017

Mosca branca nas folhasAcredita-se que a mosca-branca originou-se no Oriente Médio e, dali, expandiu-se para regiões da África e da Europa até cruzar o oceano e chegar às Américas no início da década de 1990. A explosão populacional da praga foi praticamente simultânea nos Estados Unidos e no Brasil e, no nosso país, encontrou condições muito favoráveis ao desenvolvimento. Os vírus transmitidos pelo inseto para o tomate, por exemplo, são oriundos da flora brasileira.

A mosca-branca é uma praga que não faz distinção de alimento e, devido ao alto grau de polifagia, mantê-la sob controle é uma tarefa que tem mobilizado esforços de diversas cadeias produtivas que se preocupam com o impacto negativo na produtividade. Grandes culturas como soja e algodão hospedam a praga e sentem os danos ocasionados pela sucção da seiva, contudo, eles são secundários diante dos prejuízos da ferrugem e do bicudo, principais pragas dessas culturas, respectivamente.

No caso do tomate, além de agir como um inseto sugador que compromete o desenvolvimento da planta e injeta toxinas capazes de estragar os frutos, a mosca-branca também transmite viroses que afetam a produtividade das lavouras e geram perdas de até 50%. Algumas regiões produtoras adotaram o vazio sanitário, que prevê um período sem plantas vivas de tomate no campo, para tentar controlar o nível populacional da mosca-branca.

Para garantir o sucesso no controle dessa praga, mais do que contar com políticas públicas implantadas por órgãos de defesa vegetal, é preciso propor aos agricultores um manejo racional a fim de manter a sustentabilidade de todo o sistema e, nesta parte, entra a pesquisa científica.

“A mosca-branca facilitou a transferência de vírus nativos que antes eram restritos às plantas daninhas. Antes não havia um inseto-vetor que fosse eficiente em adquirir o vírus da planta daninha e transmiti-lo para o tomate”, explica o pesquisador Miguel Michereff Filho, da área de Entomologia da Embrapa Hortaliças.

 

Similar Articles

Sementes de alface mais resistente ao calor

Sementes de alface mais resistente ao calor 0

São duas novas cultivares de alface que possuem mecanismos diferentes para burlar o calor e

Aumenta o uso do controle biológico nas lavouras brasileiras

Aumenta o uso do controle biológico nas lavouras brasileiras 0

O uso de biodefensivos agrícolas como estratégia de controle biológico de pragas e doenças tem

Cuidados para combater a raiva bovina

Cuidados para combater a raiva bovina 0

A doença atinge todos os mamíferos e animais silvestres. O principal transmissor da raiva é

Estudo mostra quais as melhores regiões para plantar algodão herbáceo

Estudo mostra quais as melhores regiões para plantar algodão herbáceo 0

O levantamento mostra as melhores áreas de plantio do algodão herbáceo para o Distrito Federal

Maior evento indoor do agronegócio nordestino já tem data para acontecer

Maior evento indoor do agronegócio nordestino já tem data para acontecer 0

É o 27º Agrinordeste que vai reunir expositores de onze estados brasileiros a partir do

CITEquin - Hospital do Cavalo, Paudalho-PE