Nordeste Rural | Homepage

Cientistas descobrem novas plantas que são hospedeiras da mosca-da-carambola

🕔19.mai 2017

Agora chega a 21 plantas que podem hospedar a mosca-da-carambola (B.carambolae). Uma equipe de pesquisadores da Embrapa Amapá fez o registro de mais quatro plantas com essa capacidade e com isso o registro, sobe de 17 para 21 o número de espécies infestadas com essa praga no Amapá, único estado onde há ocorrência de hospedeiros da mosca-da-carambola no País.

Os novos hospedeiros registrados são a tangerina, goiaba-araçá ou araçá, caju e laranja-da-terra. Os três primeiros com registros no Município de Macapá, capital do estado, e o último em Oiapoque, no extremo norte do Amapá. Os estudos da Embrapa são realizados em apoio ao Programa Nacional de Erradicação da Mosca-da-Carambola (PNEMC), coordenado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), e atendem ao objetivo de promover pesquisa para segurança biológica e defesa zoofitossanitária da agropecuária e produção florestal brasileira.

As 21 espécies vegetais hospedeiras agora são: caju, manga, taperebá, biribá, ajuru, Licania sp., acerola, muruci, araçá-boi, pitanga, goiaba, goiaba-araçá, ameixa-roxa, jambo-vermelho, carambola, sapotilha (sapoti), abiu, cutiti, tangerina, laranja-da-terra e pimenta-de-cheiro. Entre os hospedeiros registrados no Comunicado Técnico intitulado “Novos Registros de Hospedeiros da Mosca-da-Carambola (Bactrocera carambolae) no Estado do Amapá, Brasil”, o caju, a laranja-da-terra e a tangerina já haviam sido relatados como hospedeiros de mosca-da-carambola no Suriname, em 1991. Entretanto, o registro de goiaba-araçá ou araçá como hospedeiro da mosca-da-carambola é inédito na América do Sul. Embora o Estado de Roraima também esteja na área de ocorrência da mosca-da-carambola desde 2013, até o momento não há registros de hospedeiros naquele estado.

A equipe ressalta que o conhecimento dos hospedeiros potenciais de mosca-da carambola é de fundamental importância para o estabelecimento e sucesso das ações de controle. Os estados integrante da região Amazônica são os mais afetados porque possuem ecossistemas e condições climáticas favoráveis à sucessão de hospedeiros, em virtude da contínua produção de frutos que podem ser utilizados pela praga como hospedeiros secundários.

A presença da praga pode levar à perda de mercados importantes, visto que os países livres da sua presença não importam frutos de regiões frutíferas onde ela ocorre. O Mapa estima que, se a praga ficar fora de controle no Brasil, poderá gerar um prejuízo potencial de US$ 30,7 milhões no ano inicial e de cerca de US$ 92,4 milhões no terceiro ano de infestação.

 

Similar Articles

Projeto ajuda jovens agricultores do Ceará a estudar e se manter na terra

Projeto ajuda jovens agricultores do Ceará a estudar e se manter na terra 0

Projovem Campo É o projeto Projovem Campo Saberes da Terra. O objetivo é trazer de

Incentivo ao plantio de cacau pretende tornar o Brasil autossuficiente

Incentivo ao plantio de cacau pretende tornar o Brasil autossuficiente 0

O Brasil é o sétimo produtor de cacau do mundo, atrás da Costa do Marfim,

Um jeito de garantir alimento para os animais nos períodos de seca

Um jeito de garantir alimento para os animais nos períodos de seca 0

Uma alternativa para garantir a manutenção de animais como caprinos e ovinos, além de bovinos,

Uma semente transgênica de algodão branco

Uma semente transgênica de algodão branco 0

A semente de algodão branco é uma cultivar de porte médio e ciclo longo, indicada

A importância da mandioca para todas as regiões do Brasil

A importância da mandioca para todas as regiões do Brasil 0

Alimento energético, rico em carboidrato, a mandioca é um dos principais ícones da agricultura brasileira

http://www.flashppt.com/images/tangramone.swf