Nordeste Rural | Homepage
[ X ]

Aprendendo a cuidar do potro que fica órfão

🕔05.dez 2015

potros no campoA estação de monta dos equinos, criados no hemisfério sul, se inicia em setembro e segue até fevereiro na maioria das raças, que é exatamente a época onde ocorrem os cios mais férteis devido ao maior fotoperíodo. No caso do quarto de milha, por exemplo, a estação começa no dia primeiro de julho e vai até dia 31 de dezembro. Os cavalos fazem “aniversário” todos ao mesmo tempo, independente do mês do nascimento, isso é o chamado ano hípico. Isso significa que podem competir na mesma categoria mesmo tendo nascidos com diferença de seis meses. Por isso que na equideocultura é tão importante que a égua emprenhe no início da estação, pois além dos potros terem a vantagem de desenvolvimento sobre seus concorrentes, a égua possui mais tempo para se emprenhar durante a estação.

Portanto, o nascimento dos potros acontece no segundo semestre do ano seguinte. Neste período, entre gestação e o nascimento do potro é necessário que os criatórios ofereçam manejo adequado para as éguas prenhas e cuidados nutricionais e sanitários aos potros – desde sua concepção – para que tenha bom desenvolvimento.

Mas mesmo com todas estas precauções, é muito importante que o criador esteja preparado para um possível óbito da mãe ou mesmo a rejeição do potro por parte da égua. Lembrando que toda a transferência de imunidade ao potro é realizada através do colostro materno. A não ingestão, assim como a baixa concentração de imunoglobulinas, o deixará suscetível a enfermidades e poderá levá-lo à morte, caso não sejam instituídos alguns cuidados.

Essas cautelas envolvem a avaliação do estágio em que o filhote tornou-se órfão e se foi possível a ingestão do colostro. O ideal é que os haras tenham um banco de colostro para essas eventualidades. A eficácia do colostro depende de seu conteúdo de imunoglobulinas. Após 24h, a concentração de anticorpos reduz consideravelmente. Dessa forma, para criação de um banco de colostro, o leite congelado deverá ser de uma égua que tenha parido neste intervalo. Se estiver congelado e armazenado no chamado banco de colostro, o conteúdo deve ser consumido imediatamente ao seu aquecimento para evitar crescimento bacteriano. O animal deverá receber cerca de 500ml de colostro por mamadeiras ou sonda nasogástrica a cada hora antes das 12h de vida.

Caso não tenha colostro disponível, deve-se administrar lentamente o plasma hipermune por via intravenosa. O objetivo dessa administração é oferecer anticorpos que deveriam ser provenientes do colostro materno. Após este processo, o haras pode tentar introduzir o potro em outra égua parida ou oferecer o aleitamento artificial em caso de rejeição ao órfão. O aleitamento artificial pode ser realizado com 750ml de leite de vaca ou de leite semidesnatado, 250ml de água filtrada, 30g de Dextrosol, 5g de carbonato de cálcio e uma gema de ovo.  Oferecer 2,5L do leite a cada duas horas.

O cavalo jovem possui exigência nutricional bastante alta, necessitando para sua taxa de crescimento normal 110 a 130kcal/kg, o que corresponde a cerca de 3,5 vezes o exigido para um cavalo adulto em manutenção. Portanto, chega a mamar o equivalente entre 20 e 25% do seu peso vivo. Caso seja realizado o aleitamento artificial, iniciar com 10% a 15% do peso vivo do filhote e elevar gradualmente 1 a 2% ao dia.

Sete dias após o nascimento, pode ser inserida a ração na alimentação do potro. O recomendado é um produto balanceado que contenha com 19% de proteína bruta e extrusado a fim de facilitar a absorção dos nutrientes. Se a introdução da ração for realizada precocemente, em torno do sétimo dia de vida, iniciar o fornecimento com 100g ao dia e aumentar gradativamente. Em média os potros chegam à fase de desmama consumindo em torno de 1kg. Os potros, em geral, consumirão cerca de 2kg/dia quando estiver com aproximadamente cinco meses. Mas, essas quantidades devem ser ajustadas por um profissional especializado. Essas orientações são da médica veterinária Natalia Telles Schmidt, que é assistente técnica de equinos da Guabi.

 

 

Similar Articles

Bem-estar animal pode evitar prejuízos para o produtor rural

Bem-estar animal pode evitar prejuízos para o produtor rural 0

O bem-estar dos animais é assunto primordial no processo de criação, que garante melhor qualidade

Programa Garantia Safra beneficia mais de 37 mil produtores no Nordeste

Programa Garantia Safra beneficia mais de 37 mil produtores no Nordeste 0

A previsão é de que um total de 37.579 produtores de Pernambuco, Paraíba e Minas

Brasil pode ter uma colheita recorde para a próxima safra

Brasil pode ter uma colheita recorde para a próxima safra 0

Os estudos foram realizados pela Conab - Companhia Nacional de Abastecimento – que estima colheita

Receita – Sarapatel

Receita – Sarapatel 0

Por Foto do livro "História dos Sabores Pernambucanos" Maria Lectícia Monteiro Cavalcanti   INGREDIENTES: 2 kg de

Solos com erosão provocam perda de produtividade da superfície terrestre global

Solos com erosão provocam perda de produtividade da superfície terrestre global 0

O prejuízo pode atingir 23%, diz estudo da Plataforma Intergovernamental de Políticas Científicas sobre Biodiversidade

CITEquin - Hospital do Cavalo, Paudalho-PE