Nordeste Rural | Homepage
Advertisement

Alerta para os produtores de banana: os nematoides podem destruir a plantação

🕔14.dez 2015

bananeira 1Os nematoides são parasitas que afetam diversos aspectos relativos à produção da bananeira, causando atraso na emissão do pendão floral, má formação dos cachos, menor número de frutos, menor peso médio dos cachos e, consequentemente, menor rendimento por área. “Para o produtor, o prejuízo financeiro é grande, pois o tamanho dos frutos interfere fortemente no preço pelo qual o produto é vendido”, explica o agrônomo Dimmy Barbosa, pesquisador da Embrapa Mandioca e Fruticultura.

Para o pesquisador Dimmy Barbosa ,  “Geralmente o controle químico por meio de nematicidas é a medida mais utilizada pelos produtores, mas os produtos são caros e perigosos ao homem e ao meio ambiente. Já o controle biológico é uma alternativa sustentável para a cultura porque não contamina, não desequilibra o meio ambiente nem deixa resíduos, além de ser barato e de fácil aplicação”, afirma.

A adubação orgânica gera condições apropriadas para que os fungos e bactérias predadoras dos nematoides se desenvolvam.  O resíduo do processamento da mandioca, conhecido como manipueira, do processamento do sisal e o esterco de animais também estão sendo usados nos experimentos da Embrapa.

Para outro pesquisador  da Embrapa, Zilton Cordeiro, existem outras ameaças fitossanitárias para a bananicultura.  “Atualmente, os problemas mais preocupantes são a sigatoka-negra, a raça 4 tropical de Fusarium, fungo causador do mal-do-Panamá, e a bacteriose causada por Xanthomonas”, afirma Cordeiro. Esta última resulta em murcha permanente e até na morte da planta. Os principais sintomas são murcha e amarelecimento de folhas, amadurecimento prematuro do cacho, apodrecimento dos frutos e descoloração de vasos. Já a sigatoka-negra é a mais grave doença da cultura, provocando perdas de 100% na produção de variedades suscetíveis, e a raça 4 tropical de Fusarium afeta a maioria das variedades da cultura da banana cultivadas no País e não tem controle, diferentemente das sigatokas e de outras doenças.

 

 

Similar Articles

A possibilidade de bons negócios leva o produtor rural correr aos bancos e aumentar o volume de contratação do crédito agrícola

A possibilidade de bons negócios leva o produtor rural correr aos bancos e aumentar o volume de contratação do crédito agrícola 0

As contratações de crédito agrícola, no primeiro bimestre do Plano Agrícola e Pecuário 2018/19, tiveram

Entenda as diferenças de bovinos criados em confinamento e os criados a pasto

Entenda as diferenças de bovinos criados em confinamento e os criados a pasto 0

É no campo que quase tudo acontece, com a alimentação do animal cumprindo papel determinante

Os benefícios da castanha-do-brasil para a saúde humana

Os benefícios da castanha-do-brasil para a saúde humana 0

Versátil e nutritiva, a castanha-do-brasil ou castanha-do-pará, um dos produtos mais comuns e famosos da

Controle da plantação de mandioca no semiárido usando o sistema de produção agroecológica

Controle da plantação de mandioca no semiárido usando o sistema de produção agroecológica 0

O sistema de produção agroecológico visa o resgate de práticas agrícolas já conhecidas pelos produtores,

Aprenda a cultivar e processar a colheita da erva-doce

Aprenda a cultivar e processar a colheita da erva-doce 0

A erva-doce é uma planta cultivada em quase todo o Brasil. Na Região Nordeste, o

CITEquin - Hospital do Cavalo, Paudalho-PE