Nordeste Rural | Homepage
Advertisement

Agricultura familiar movimenta a economia no Brasil

0 Comments 🕔06.nov 2019

agricultura_familiarDados mais recentes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento apontam que existem 4,4 milhões de famílias agricultoras no país, o que faz com que o cultivo de alimentos em pequena escala já seja responsável pela produção de metade do que é consumido por brasileiros. Ainda de acordo com o último Censo Agropecuário, a agricultura familiar é considerada a atividade principal da economia de municípios com até 20 mil habitantes, além de ser fonte de renda para 40% da população brasileira e 70% das ocupações de trabalho.

Este cenário, cada vez mais otimista para quem decide empreender no campo, tem gerado um comportamento social específico nestas duas primeiras décadas do século XXI. Criou um movimento totalmente contraditório ao êxodo rural que se concentrou na segunda metade do século passado, quando os processos de urbanização e industrialização do país motivaram a saída de jovens do campo para os grandes centros.

O início do século tem sido marcado pela sucessão e permanência de jovens no meio rural. De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a escolha dos jovens em permanecer nas propriedades se dá pela perspectiva de oportunidades, pelo gosto com a atividade e pela questão familiar. Segundo levantamento do Ipea, a taxa de permanência das pessoas no campo aumentou significativamente na última década.

De acordo com o Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2010, existiam cerca de 8 milhões de jovens vivendo no campo. Se considerarmos o intervalo de tempo de quase uma década desde o levantamento, paralelamente ao aumento da agricultura familiar, é possível que os números tenham aumentado ainda mais.

Além disso, o cultivo de alimentos orgânicos em pequena escala, também incentiva a agricultura familiar e contribui para uma dieta saudável, indo ao encontro de novos hábitos alimentares. Esta última década, inclusive, tem sido marcada pelo surgimento de movimentos que exaltam a iniciativa de apreciar e degustar o alimento, além de relacioná-lo à forma como as pessoas interagem com o mundo que as rodeia. Um bom exemplo é o movimento slow food, contrário ao fast-food, cujo princípio básico é encontrar prazer na alimentação, consumindo produtos artesanais, gerados pela prática saudável da agricultura, que altera a lógica da produção, armazenamento e transporte, reduzindo a emissão de gases e substâncias nocivas, respeitando assim o meio ambiente e também valorizando quem produz esses alimentos.

 

Similar Articles

Já é Natal em Garanhuns, interior de Pernambuco

Já é Natal em Garanhuns, interior de Pernambuco 0

A abertura oficial do Natal em Garanhuns, a 272 quilômetros do Recife, foi no final

Fica mais fácil enfrentar a seca quando o pecuarista faz planejamento

Fica mais fácil enfrentar a seca quando o pecuarista faz planejamento 0

É importante o pecuarista se preparar para enfrentar a seca, planejando como vai alimentar o

Ministra diz que assistência técnica para pequeno produtor será prioridade em 2020

Ministra diz que assistência técnica para pequeno produtor será prioridade em 2020 0

As promessas da ministra Tereza Cristina, da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, ocorreram no Congresso Brasileiro

Novo decreto regulamenta e simplifica o plantio de cana-de-açúcar

Novo decreto regulamenta e simplifica o plantio de cana-de-açúcar 0

O novo decreto revoga um anterior com restrições que impactavam "negativamente as usinas de açúcar

OS búfalos no Estado de Pernambuco: Décadas de História

OS búfalos no Estado de Pernambuco: Décadas de História 0

Por: Ricardo Pessoa – Professor da UFRPE   O professor Ponce de Leon Filho registrou que os

No Comments

No Comments Yet!

No one have left a comment for this post yet!

Write a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

CITEquin - Hospital do Cavalo, Paudalho-PE