Nordeste Rural | Homepage

Agricultura familiar movimenta a economia no Brasil

🕔06.nov 2019

agricultura_familiarDados mais recentes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento apontam que existem 4,4 milhões de famílias agricultoras no país, o que faz com que o cultivo de alimentos em pequena escala já seja responsável pela produção de metade do que é consumido por brasileiros. Ainda de acordo com o último Censo Agropecuário, a agricultura familiar é considerada a atividade principal da economia de municípios com até 20 mil habitantes, além de ser fonte de renda para 40% da população brasileira e 70% das ocupações de trabalho.

Este cenário, cada vez mais otimista para quem decide empreender no campo, tem gerado um comportamento social específico nestas duas primeiras décadas do século XXI. Criou um movimento totalmente contraditório ao êxodo rural que se concentrou na segunda metade do século passado, quando os processos de urbanização e industrialização do país motivaram a saída de jovens do campo para os grandes centros.

O início do século tem sido marcado pela sucessão e permanência de jovens no meio rural. De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a escolha dos jovens em permanecer nas propriedades se dá pela perspectiva de oportunidades, pelo gosto com a atividade e pela questão familiar. Segundo levantamento do Ipea, a taxa de permanência das pessoas no campo aumentou significativamente na última década.

De acordo com o Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2010, existiam cerca de 8 milhões de jovens vivendo no campo. Se considerarmos o intervalo de tempo de quase uma década desde o levantamento, paralelamente ao aumento da agricultura familiar, é possível que os números tenham aumentado ainda mais.

Além disso, o cultivo de alimentos orgânicos em pequena escala, também incentiva a agricultura familiar e contribui para uma dieta saudável, indo ao encontro de novos hábitos alimentares. Esta última década, inclusive, tem sido marcada pelo surgimento de movimentos que exaltam a iniciativa de apreciar e degustar o alimento, além de relacioná-lo à forma como as pessoas interagem com o mundo que as rodeia. Um bom exemplo é o movimento slow food, contrário ao fast-food, cujo princípio básico é encontrar prazer na alimentação, consumindo produtos artesanais, gerados pela prática saudável da agricultura, que altera a lógica da produção, armazenamento e transporte, reduzindo a emissão de gases e substâncias nocivas, respeitando assim o meio ambiente e também valorizando quem produz esses alimentos.

 

Similar Articles

Perdas na safra de milho do Rio Grande do Sul mostra crescimento nos pedidos de seguro rural

Perdas na safra de milho do Rio Grande do Sul mostra crescimento nos pedidos de seguro rural 0

Foram registrados 6.719 comunicados de perdas pela seca no RS. Mais da metade (54,5%) foram

Carne bovina promove crescimento da receita do agronegócio brasileiro

Carne bovina promove crescimento da receita do agronegócio brasileiro 0

Em janeiro de 2020, as Exportações de carne bovina tiveram alta de 9,84%, promovendo receitas

Balanço positivo para os custos de produção de suínos e de frangos de corte em 2019

Balanço positivo para os custos de produção de suínos e de frangos de corte em 2019 0

Os custos de produção de suínos e de frangos de corte calculados pela CIAS, a

Novo mercado para a exportação da carne bovina brasileira

Novo mercado para a exportação da carne bovina brasileira 0

O pais que confirmou a compra de carne bovina brasileira é o Kuwait, que foi

Serra Gaúcha, no verão,  estimula turismo para ver a colheita da uva

Serra Gaúcha, no verão, estimula turismo para ver a colheita da uva 0

colheita da uva na Serra Gaúcha acontece de janeiro a março e os turistas podem

CITEquin - Hospital do Cavalo, Paudalho-PE