Nordeste Rural | Homepage

A ração para alimentar a galinha caipira pode ser enriquecida com uso da mandioca

🕔16.jul 2015

A criação de frangos e galinhas caipiras é uma atividade produtiva que oferece oportunidade de renda aos pequenos produtores rurais. No entanto, o criador enfrenta problemas no que diz respeito a alimentação das aves. Diferentemente da galinha de capoeira, que é criada solta e sem maiores cuidados, a galinha caipira é geneticamente melhorada, em aspectos de gosto e textura da carne, e exige cuidados específicos, o que aumenta os custos do produtor.

Pesquisas feitas pela Empresa Estadual de Pesquisa Agropecuária da Paraíba (Emepa) com raízes, folhas e galhos de mandioca ou palma, trituradas e enriquecidas com ureia, podem substituir o milho na alimentação dessas aves. É o que diz o pesquisador da Emepa, João Felinto dos Santos. Segundo ele, a mandioca e a palma são plantas comuns nas propriedades do Nordeste. A opção de utilizá-las como fonte de alimento para a galinha caipira, além de saudável para as aves, ajuda na economia do agricultor.

Ele explica que, utilizando a levedura, que é o fermento de pão,  para enriquecer a ração feita com farelo de mandioca ou palma forrageira, o produtor pode aumentar a quantidade de proteína fornecida às aves. A ração tem um teor de proteína de 9%, enquanto o milho chega a 8%. Além disso, há uma redução nos custos de produção em 13%, sem contar que tudo pode ser feito dentro da propriedade, com a facilidade que o produtor precisa.

Outra vantagem é que ao criar suas próprias galinhas o produtor rural pode usufruir dos ovos e da carne do frango sem depender de supermercados e granjas. Assim, ele também terá uma fonte de renda com a venda dos ovos e dos frangos não consumidos.

CITEquin - Hospital do Cavalo, Paudalho-PE