Nordeste Rural | Homepage

A produção de biogás a partir de dejetos animais

🕔10.mai 2017

biogásNo agronegócio brasileiro, os principais responsáveis pelas emissões brasileiras de GEEs são os setores de agropecuária (37%) e energia (37%). Dessas emissões, 55,9% devem-se à fermentação entérica dos ruminantes; 35,9% têm origem nos solos agrícolas; 4,8% são atribuídas ao manejo de dejetos de animais; 1,9%, ao cultivo de arroz inundado e 1,5%, à queima da cana-de-açúcar.

O esterco de animais confinados tem sido cada vez mais utilizado para produção de biogás no País. A produção de biogás a partir de dejetos animais constitui uma boa prática na produção agropecuária, pois promove um conjunto de benefícios ambientais, sociais e econômicos. Com diversas oportunidades de aplicação, e muitos desafios para garantir uma boa performance. A mitigação de gases ocorre, sobretudo, quando o biogás é utilizado como substituto do combustível fóssil ou madeira.

Mas para obter bons resultados, é preciso uma boa gestão dos sistemas de tratamento de dejetos, assegura a pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente (SP) Magda Lima, que também defende a difusão de conhecimentos e maiores investimentos em capacitação e pesquisa.

Só o rebanho bovino brasileiro, que representa a maior população de ruminantes no País, com mais de 200 milhões de cabeças, segundo as estatísticas do Sistema IBGE de Recuperação Automática (Sidra) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), contribuiu, em 2012, com a emissão de 11,5 mil toneladas de metano por fermentação entérica. O metano é um importante gás de efeito estufa cujo potencial de ação para o aquecimento global é 25 vezes maior que a mesma quantidade de dióxido de carbono.

De acordo com Magda, a pecuária é uma atividade vulnerável à mudança do clima, tendo em vista que depende da disponibilidade de água e faixas climáticas ótimas para o seu desenvolvimento. Pode ser afetada de vários modos: o impacto de mudanças na disponibilidade e preço de grãos; impactos em pastagens e forrageiras; efeitos diretos do clima e eventos extremos sobre a saúde, crescimento e reprodução animal, além de mudanças na distribuição de doenças zoológicas.

A pesquisadora também explica que embora se tenha uma percepção de que a pecuária é mais resistente às mudanças do clima, há muitos estudos que mostram a influência negativa de condições climáticas adversas também nessa atividade. Foram registrados maiores índices de mortalidade animal, deslocamentos de rebanhos para outras regiões geográficas além de outras consequências.

 

Similar Articles

Orientações que ajudam o agricultor a gerenciar bem sua pequena propriedade

Orientações que ajudam o agricultor a gerenciar bem sua pequena propriedade 0

O gerenciamento financeiro da pequena propriedade envolve o acompanhamento da entrada e saída de recursos

Apriscos bem planejados evitam doenças e ataques de animais ao rebanho de caprinos e ovinos

Apriscos bem planejados evitam doenças e ataques de animais ao rebanho de caprinos e ovinos 0

No sertão nordestino é possível construir instalações para caprinos e ovinos que evitem a proliferação

Uma raça robusta e resistente ameaçada de extinção

Uma raça robusta e resistente ameaçada de extinção 0

É a raça Tucura, animais que se adaptaram muito bem às condições do Pantanal, suportando

Pequenas propriedades podem usar técnicas fáceis de aumentar renda com o milho

Pequenas propriedades podem usar técnicas fáceis de aumentar renda com o milho 0

São duas técnicas simples e de fácil aplicação que otimizam a produção em pequenas lavouras

Novas técnicas de cultivo podem incluir a macaúba como fonte de renda para o agricultor

Novas técnicas de cultivo podem incluir a macaúba como fonte de renda para o agricultor 0

Produzir agroenergia e alimentos na mesma área pode ser um negócio lucrativo e viável. É

http://www.flashppt.com/images/tangramone.swf