Nordeste Rural | Homepage

A hortaliça ora-pro-nóbis ganha preferência na culinária e melhora a renda do agricultor

🕔18.mai 2017

ora-pro-nobresTambém conhecida por lobrobó ou pereskia, a ora-pro-nóbis é considerada uma planta alimentícia não convencional (PANC) e apresenta um relevante teor de proteína – trata-se de um alimento de origem vegetal com cerca de três gramas de proteína a cada 100 gramas de folhas. “Embora esse valor seja equivalente em outras hortaliças como rúcula e agrião e também em folhas de coloração verde-escura, a qualidade da proteína da ora-pro-nóbis é melhor porque apresenta mais complexidade e aminoácidos essenciais, ou seja, tem maior valor biológico para o organismo porque contém aminoácidos essenciais em quantidade e proporções adequadas”, explica a pesquisadora Neide Botrel, da Embrapa.

Por ser uma planta da família dos cactos, a ora-pro-nóbis cresce como um arbusto, com espinhos agudos distribuídos ao longo dos caules e ramos, o que dificulta o manuseio pelos agricultores. “No geral, os produtores não consideram estabelecer lavouras de ora-pro-nóbis pela dificuldade de lidar com a planta espinhosa”, contextualiza o pesquisador, ao comentar que a planta, apesar de muito nutritiva, costuma ser utilizada somente como cerca-viva ou, em regiões específicas, como ingrediente de receitas tradicionais em cidades históricas de Minas Gerais, como Diamantina, Tiradentes e Sabará.

Agora, pequenos produtores brasileiros já podem contar com um sistema de produção próprio para ora-pro-nóbis, que traz facilidade nos tratos culturais e permite uma colheita escalonada ao longo do tempo. A proposta do sistema é fazer o plantio adensado – para garantir maior produtividade por área – e programar colheitas sucessivas para manter controlada a arquitetura da planta e evitar emaranhados de galhos e espinhos. Os experimentos foram conduzidos nos campos da Embrapa Hortaliças, em Brasília (DF).

A hortaliça vem ganhando cada vez mais atenção de restaurantes e chefes de cozinha no eixo Rio-São Paulo, e com isso há um aumento efetivo da procura pelo produto. Por isso, o sistema de plantio adensado, que permite até cinco mil plantas por hectare, com colheitas sucessivas que permite a condução dessa espécie de forma mais simples e eficaz pelo produtor rural. O espaçamento praticado anteriormente resultava em cerca de 1.250 plantas por hectare. Outra vantagem do novo sistema é que ele dispensa a necessidade de tutoramento da planta para colheita das folhas, já que prevê a poda de hastes.

“A ora-pro-nóbis é muito rústica e com bom potencial produtivo, que se apresenta como uma opção de diversificação de renda e de cultivo especialmente para o agricultor familiar, já que a produção em larga escala é dificultada pelas próprias características da planta, que exige intensa mão de obra”, sugere o pesquisador Nuno Madeira.

A ora-pro-nóbis pode atingir até quatro metros de altura, por isso, as colheitas sucessivas, a cada seis ou dez semanas, dependendo das condições climáticas, funcionam como podas que, além de facilitar o manejo da planta espinhosa e garantir ergonomia para o produtor, estimulam o desenvolvimento vegetativo e a produção comercial de folhas.

Segundo cálculos feitos nos experimentos, a produção pode atingir até dois quilos de folhas por planta a cada corte, com quatro a oito cortes anuais – o que equivale de 20 a 40 toneladas por hectare ao ano. Madeira destaca que a planta pode se manter produtiva por até dez anos, mesmo com pressão por alta produtividade, desde que sejam feitas adubações periódicas com matéria orgânica.

 

 

Similar Articles

América Latina pode ter um banco de vacinas contra a febre aftosa

América Latina pode ter um banco de vacinas contra a febre aftosa 0

O Brasil é o primeiro país da América Latina a aderir oficialmente à criação de

Safra brasileira de grãos deve crescer mais de 21% em 10 anos

Safra brasileira de grãos deve crescer mais de 21% em 10 anos 0

A produção brasileira de grãos deverá chegar a 288,2 milhões de toneladas nos próximos 10

As raças leiteiras são as preferidas para melhoria genética e fazem crescer as vendas de sêmen

As raças leiteiras são as preferidas para melhoria genética e fazem crescer as vendas de sêmen 0

A procura por sêmen das raças leiteiras nacionais vem crescendo em 2017, registrando um aumento

Um encontro sobre indicação geográfica terá palestrantee internacionais

Um encontro sobre indicação geográfica terá palestrantee internacionais 0

No Brasil existem 62 produtos com Registro de Indicação Geográfica. As indicações são definidas atualmente

Feira Livre – Passe o fim de semana no friozinho de Gravatá.

Feira Livre – Passe o fim de semana no friozinho de Gravatá. 0

Oportunidade: alugo para fins de semana ou temporada -  apartamento tipo flat no edifício Gravatá, com